3 de fevereiro de 2009

C&T no desenvolvimento nacional

Precisei escrever o artigo abaixo, de 3 laudas (o que dá, na cotação atual, 4 prosts, 9 mansells ou 0,4 sennas) como inscrição para um curso de jornalismo científico. Como o blog anda meio às moscas, não custa nada encher uma linguicinha com idéias sobre o papel da ciência e da tecnologia no desenvolvimento do país.

____________________


Vivemos os últimos anos da primeira década do século 21, um momento na história em que certamente é considerada óbvia e inquestionável a afirmação de que a ciência e a tecnologia são protagonistas do desenvolvimento das nações modernas. E justificadamente: o século passado foi prodigioso em exemplos que confirmam essa assertiva. Os últimos cento e poucos anos testemunharam um avanço tecnológico vertiginoso - impulsionado por algumas das mais profundas revoluções da história da ciência - que propiciou melhorias sem precedentes em virtualmente todos os aspectos da vida humana. O desenvolvimento da medicina e das técnicas de saneamento desencadeou uma diminuição acentuada dos números de mortalidade infantil e um aumento considerável na expectativa de vida. Os meios de transporte tornaram-se mais rápidos, seguros e confortáveis, facilitando inclusive a produção de bens de consumo e o comércio. As tecnologias da informação, fenômeno de desenvolvimento recente, revolucionaram a forma como produzimos e compartilhamos conhecimento, informação e arte. A construção de máquinas como o Grande Colisor de Hádrons e telescópios espaciais como o Hubble, Spitzer e Kepler, dá-nos a chance de saber um pouco mais sobre o infinitamente pequeno e o assustadoramente grande, abrindo possibilidades de interpretação filosófica do universo e da própria vida humana com as quais ainda só podemos sonhar. A lista é longa. Páginas e mais páginas poderiam ser preenchidas com exemplos similares que, no entanto, ainda não respondem satisfatoriamente à pergunta: que papel ciência e tecnologia (C&T) podem desempenhar no desenvolvimento nacional e, em especial, no desenvolvimento de um país com as peculiaridades sociais e econômicas do Brasil?

A resposta pode começar a surgir de um aparente dilema que vez ou outra aparece, especialmente nos meios de comunicação: o Brasil é um país com tantos problemas sociais graves que a destinação de recursos públicos para C&T pode configurar-se como supérfluo frente às necessidades mais prementes e imediatas da sociedade brasileira. Este dilema existe apenas na aparência, e por uma razão muito simples: ciência e tecnologia não apenas são essenciais para a resolução das contradições e desigualdades sociais a longo prazo, como podem mesmo preparar o país para solucionar imediatamente problemas inesperados que, do contrário, continuariam a existir e a contribuir para a estagnação do desenvolvimento. Exemplo claro disso é a atuação do Instituto Agronômico de Campinas (IAC) na década de 1930.

Um dos efeitos da crise econômica mundial de 1929 no Brasil foi a quebra do setor cafeeiro, uma das locomotivas da economia nacional. Entrementes, a Seção de Algodão do IAC, criada em 1923, vinha realizando pesquisas para a adaptação de variedades do algodão trazidas dos Estados Unidos e, como narra o historiador da ciência Shozo Motoyama, “após quase dez anos de experimentação, esse programa conseguiu êxito em adaptar as variedades mais promissoras às condições climáticas da região Sul” . As pesquisas do IAC, alvo de interesse genuíno por parte de pesquisadores norte-americanos, foram centrais para a então surpreendente cotonicultura brasileira, responsável por salvar a economia paulista da estagnação.

Esse tipo de pesquisa, voltada para o desenvolvimento da agricultura, continua a desempenhar até hoje um papel importante no cenário brasileiro. A Embrapa Cerrados - braço da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, órgão do Ministério da Agricultura –, por exemplo, vem se dedicando com sucesso na obtenção de conhecimento e melhorias técnicas para a exploração agrícola dos cerrados brasileiros. Se os objetivos elencados no 4º plano diretor (vigente de 2008 a 2011) do órgão forem minimamente atingidos, estaremos diante de uma ótima contribuição da C&T para o desenvolvimento ambientalmente sustentável da agricultura brasileira, com atenção para a diminuição da desigualdade social nas regiões estudadas. Outro exemplo de pesquisa brasileira voltada para a agricultura visando resultados práticos não muito longínquos foi o sequenciamento do material genético da Xylella Fastidiosa, bactéria causadora da clorose variegada dos citrus, a “praga do amarelinho” que causa perdas de cem milhões de dólares anuais aos citricultores paulistas . Financiada pela Fapesp, a pesquisa ganhou especial atenção da comunidade científica internacional e das principais revistas científicas do mundo, inclusive ganhando capa e editorial da revista Nature. O trabalho abre possibilidades de acabar com a praga pela manipulação genética da bactéria.

Estes exemplos mostram, de maneira até bastante clara, a importância da C&T para o desenvolvimento do setor produtivo, com aplicabilidade mais ou menos no curto prazo e com resultados perceptíveis aos olhos do público. Trata-se de algumas das principais contribuições da C&T, pelo menos no que se refere a sua aplicação prática na resolução de problemas do presente, para o desenvolvimento nacional. Devo, no entanto, ressaltar que seria um erro satisfazer-se com uma visão meramente utilitarista da ciência. Sua importância não reside apenas naquilo que pode fazer por nós agora, em quantos milhões de dólares pode salvar hoje ou quantas pessoas alimentará amanhã. Porque pensar o contrário disso é desconsiderar a beleza e a importância do aspecto imaginativo da ciência. O desenvolvimento de um país não parte somente de sua produção material. Ciência e tecnologia devem servir, também, como instrumento da liberdade de pensamento e de imaginação das pessoas - é neste aspecto que a ciência se aproxima da arte, que contribui também, à sua maneira, para que um país se desenvolva nos mais variados sentidos da realidade.

Não se está defendendo aqui, contudo, a visão da C&T como panacéia do desenvolvimento nacional. Ciência e tecnologia são apenas alguns dos principais elementos – essenciais, é verdade – que podem levar ao desenvolvimento brasileiro. O papel desempenhado pela C&T depende também da conjuntura econômica, política e social; depende de como serão levadas a cabo políticas de educação, de redução das desigualdades sociais, de incentivo ao setor produtivo. Sociedade e ciência estão, neste sentido, numa intrincada relação de interdependência.

Além de estar longe de ser a panacéia que alguns otimistas podem imaginar, a ciência também pode ter suas responsabilidades nos próprios problemas que afligem o mundo e, por conseqüência, o Brasil. É flagrante, por exemplo, a importância da C&T na consolidação do processo da globalização, de cujas benesses em boa parte podemos desfrutar, ao preço de experimentarmos os silenciosos efeitos negativos da concentração de poder e riquezas pelos países desenvolvidos. Mais perceptível, ainda, é o seu papel na deterioração do meio-ambiente, no desenvolvimento da indústria bélica e suas máquinas de matar cada vez mais eficientes, no arsenal atômico das grandes potências.

Entretanto, se a ciência é responsável por encruzilhadas e becos sem saída, ela também pode servir de guia para retomarmos o rumo correto. Em outras palavras, a ciência, capaz de criar mazelas terríveis, é também a mais poderosa ferramenta de questionamento, desconstrução e resolução não apenas destes mesmos problemas mas de grande parte das questões mais importantes que nos aflige, hoje. Trata-se, portanto, de elemento essencial, conjuntamente com a tecnologia, no projeto de desenvolvimento pleno de um país como o Brasil.

__________________

Retirei as citações porque, afinal, isso aqui não é academia. Mas as referências são o site da Embrapa Cerrados e, principalmente, Prelúdio para uma história: ciência e tecnologia no Brasil, organizado por Shozo Motoyama.

8 comentários:

Désir La Vie disse...

O crescimento, o desenvolvimento sempre acaba deixando 'fissuras', 'sujeiras' pelo caminho...Acredito que a própria ciência seja capaz de nos orientar como/e dê quê forma 'consertá-las', senão, 'amenizá-las', 'melhorá-las'...
Uma faca de 'dois legumes'...mas necessária, essencial...

Ô pior mesmo é quando usa-se a ciência sem a mínima/ou qualquer ética para uso e benéficio - status também - próprio.

Désir La Vie disse...

Jesus!
Isso que dá escrever com tanta pressa;
e tudo isso só para lavar uma cozinha...

Traduzindo:
Eu quis dizer que o ruim mesmo é quando a ciência é utilizada para benefícios próprios, sem nenhum -ou quase nenhum - critério e/ou ética.
Tenho ânsia de vômito dos que utilizam a ciência dessa maneira...Para fins - únicos ou não - de entumecimento de ego.

Nê disse...

Oi Danilo!
Tudo bem?

Conversei com seu pai por telefone e ele me falou do seu blog... Ótimo blog e ótimo artigo! Outro dia li que até os EUA estão começando a ter problemas, já que a procura por cursos de ciência e tecnologia diminuiu muito, porque a molecada por lá não queria mais ficar com estigma de "nerd". O autor defendia que o país precisava justamente de mais nerds, porque senão seu desenvolvimento ficaria muito comprometido no futuro...

Precisamos marcar de sair pra conversar e aí a gente continua esse assunto... Gostei muito de te rever aquele dia na Cultura. Precisamos nos encontrar mais, agora que você está em Campinas.

Passei meu telefone e e-mail pro seu pai. Dá uma ligada ou me escreve qualquer hora...

Abração!

Nê disse...

Ah, esqueci de dizer:
Adorei o título do blog! Muito criativa a referência que você fez ao "Pálido Ponto Azul" do Carl Sagan e o uso que você deu a ela...

Juliano disse...

Fala Milk! É o curso da Unicamp? Boa sorte!

Danilo Albergaria disse...

Esse mesmo, Juliano. Valeu! Você tava mais sumido do que eu nesse canto de internet.

E Nê, vou pegar seu telefone com o meu pai. Vamos tomar umas geladas.

Juliano disse...

Já ouvi falar muito bem desse curso. Acho que ele combina muito com você. Acho que um dia vou ler "Danilo Albergaria" em algum caderno ou revista de Ciência famoso por aí... visão evolutiva, saber escrever e gosto pela ciência me parecem uma combinação rara, que merece ser escutada. Good luck.

Danilo Albergaria disse...

Valeu, Juliano. O único senão nessa seleção é que parte dela passa pela avaliação de curriculum. E como, até agora, eu fui mais negligente com minha carreira do que carrinho do Junior Baiano por trás, temo que seja barrado aí. Ou na entrevista. Ou na prova de inglês. Pelo menos passei na do artigo.

Enfim, a pior coisa que pode acontecer é não passar. E eu não tinha percebido isso ainda. lol

De onde você vem?