24 de dezembro de 2011

Duas culturas, de novo

Leon Wieseltier matou a pau na New Republic: The Answers.

Is there a god? No. What is the nature of reality? What physics says it is. What is the purpose of the universe? There is none. What is the meaning of life? Ditto. Why am I here?Just dumb luck. Is there a soul? Is it immortal? Are you kidding? Is there free will? Not a chance! What is the difference between right and wrong, good and bad? There is no moral difference between them. Why should I be moral? Because it makes you feel better than being immoral. Is abortion, euthanasia, suicide, paying taxes, foreign aid, or anything else you don’t like forbidden, permissible, or sometimes obligatory? Anything goes. What is love, and how can I find it? Love is the solution to a strategic interaction problem. Don’t look for it; it will find you when you need it. Does history have any meaning or purpose?It’s full of sound and fury, but signifies nothing.” I take this cutting-edge wisdom from the worst book of the year, a shallow and supercilious thing called The Atheist’s Guide to Reality: Enjoying Life Without Illusions, by Alex Rosenberg, a philosopher of science at Duke University. The book is a catechism for people who believe they have emancipated themselves from catechisms. The faith that it dogmatically expounds is scientism. It is a fine example of how the religion of science can turn an intelligent man into a fool.

NOT LONG AGO the prestige of science was nastily contested by American politics, as conservatism’s war on evolution, environmental science, and other forms of empirical research threatened to confound the American sense of reality. It was George W. Bush against Francis Bacon. Against this obscurantism—which has long held sway over significant portions of the American electorate—it was necessary to offer a ferocious defense of the premises, and the blessings, of scientific inquiry. Unfortunately, the defense of science became corrupted in certain quarters into a defense of scientism, which is the expansion of scientific methods and concepts into realms of human life in which they do not belong. Or rather, it is the view that there is no realm of human life in which they do not belong. Rosenberg arrives with “the correct answers to most of the persistent questions,” and “given what we know from the sciences, the answers are all pretty obvious.” (I have cited most of them above.) This is because “there is only one way to acquire knowledge, and science’s way is it.” And not just science in general, but physics in particular. “All the processes in the universe, from atomic to bodily to mental, are purely physical processes involving fermions and bosons interacting with one another.” And: “Scientism starts with the idea that the physical facts fix all the facts, including the biological ones. These in turn have to fix the human facts—the facts about us, our psychology, and our morality.” All that remains is to choose the wine.

IN THIS WAY science is transformed into a superstition. For there can be no scientific answer to the question of what is the position of science in life. It is not a scientific question. It is a philosophical question. The idea that physical facts fix all the facts is not an idea proven, or even posited, by physics. Rosenberg does not translate non-scientific facts into scientific facts; he denies that non-scientific facts exist at all. But in what way is, say, The Jewish Bride a scientific fact? It is certainly composed of fermions and bosons, but such knowledge, however true and fundamental, casts no light upon the power of the painting, or the reasons for its appeal. The description of everything in terms of fermions and bosons cannot account for the differences, in meaning and in effect, between particular combinations of fermions and bosons. But Rosenberg’s complacence survives such an objection, since he holds also that “the meanings we think are carried by our thoughts, our words, and our actions are just sand castles we build in the air.” This leads him to a boorish attack on the humanities, which are “nothing we have to take seriously, except as symptoms.” What they symptomize is “the search for motives and meanings in thoughts about things,” which has all been retired by neuroscience; and also our sad need for narrative. (Never mind his bedtime story about the adventures of the hominid in the savanna.) The humanities are “fun,” he avers, but they “are a scientific dead end.” And so they are, which is a big part of their claim upon our reverence. It does not help that Rosenberg cannot spell the well-known name of the ancient Latin poem that he admires; or that he regards F.R. Leavis as the inventor of the New Criticism and “the progenitor of preposterous twentieth-century literary theory”; or that he gives “the Humanities’ greatest hits” as The Odyssey, Hamlet, War and Peace, Middlemarch, and Sophie’s Choice. I thought that the argument for imagination and interpretation as instruments of human knowledge was settled long ago—when Vico read the ancients, or when Mill read Coleridge, or when Dilthey read Schleiermacher; but here we are, still wrestling with the distinction between explanation and understanding, still enduring the old crap about the hegemony of the natural sciences.

THIS SHABBY BOOK is riddled with other notions that typify our time. Rosenberg maintains that atheism entails materialism, as if the integrity of the non-material realms of life can be secured only by the existence of a deity. Reason does not move him, no doubt because of the threat it poses to the physicalist tyranny. He asserts, as would anyone who does not live in Congo, that “most people are nice most of the time,” because “we were selected for niceness,” which is all we need for ethics. He calls this “nice nihilism,” since it promotes moral values without moral beliefs. As for “Hitlers, Stalins, Mao Zedongs, Pol Pots, and Osama bin Ladens”—the people who are not nice most of the time—“biology has the answer”: there are always variations in inherited traits. But the variations cannot be the answer, because they are the question. Moreover, most people are both good and bad, neither devils nor angels. Rosenberg is untroubled by such complications. He is untroubled by everything under the sun. The man’s peace of mind is indecent. “We know the truth,” he declares sacerdotally in his preface. “Some of the tone of much that follows may sound a little smug. I fear I have to plead guilty to this charge ...” Once upon a time science was the enemy of smugness.

31 de outubro de 2011

Finally!

Comedycentral.com.br

aaaaeeeeeeeeeeeeeeeeeee!!!!!!!!

28 de outubro de 2011

A volta do McRib e a paródia da paródia

Jon Stewart, pela enésima vez, expõe o anti-jornalismo da “mídia a cabo” (Fox News, CNN) americana.

Resumo para poupar o tempo de quem não quer ver o vídeo: o Wall Street Journal repercutiu em editorial uma pesquisa feita por cientista conhecido por combater as alegações de que o aquecimento global existe e é antropogênico. A pesquisa, financiada pelos irmãos Koch, adoradores de Ayn Rand e notórios conservadores  “anti-Obama” e “anti-aquecimento global”, concluiu que o aquecimento global é real. Stewart resgata como foi a cobertura do Climategate pelos veículos noticiosos televisivos: explosiva. Compara, agora, com a cobertura da pesquisa e de sua repercussão pelo WSJ (de Murdoch, não esqueçamos). O resultado é que 24 segundos foram dedicados à repercussão da pesquisa, no total, enquanto mais atenção foi dada até mesmo ao relançamento do sanduíche McRib pelo McDonald´s.

Depois, foi a vez de um dos “correspondentes” de Stewart fazer a paródia de um jornalismo que já é uma paródia. Uma estrategista do Partido Republicano, mistura trágica de Palin com Bachmann, é entrevistada e não percebe que a piada está nela própria. O “jornalista” termina por concluir que a ciência está destruindo a nação.

Brilhante, como sempre, o Daily Show.

23 de outubro de 2011

Finalmente

Os caras respiram All Blacks:



Homenagem aos campeões de 2011, após 24 anos de seca.

18 de outubro de 2011

#OccupyWallStreet

Manifestante do Occupy Wall Street dando uma surra na Fox News.



Lindo.

A coisa está se espalhando.

16 de setembro de 2011

TotalBiscuit descasca Idra

John Bain, o TotalBiscuit, foi entrevistado pelo Technorati. TB é, disparado, o melhor caster de games e esports que conheço. É uma figura que merece respeito, não apenas por apostar numa carreira independente em terreno ainda incerto, mas porque é inteligente, bem-humorado e ácido.

A entrevista vale a leitura para quem quer conhecer um pouco mais sobre a cena de “gamecasting” independente que a internet está proporcionando. Mas o que mais me chamou a atenção foi a carcada-monstro que TB deu no Idra, o mais nojento dos progamers. Veja abaixo.

Idra, um americano que migrou há alguns anos para a Coréia do Sul apostando na carreira de jogador profissional de Starcraft, é tido pela maioria dos espectadores de esports como grosseiro e arrogante. Sua marca registrada é o ragequit (ou seja, sair do jogo sem dizer GG, forma polida de reconhecer a derrota) e o abuso explícito sobre um oponente que está derrotando, especialmente se este tentou alguma tática não-usual (cheese).

Durante o beta do Starcraft 2, joguei contra o mimadão e quase ganhei num cheese de void ray (era minha única chance, pegá-lo de surpresa com uma unidade que, na época, era apelativa). Ele me venceu, obviamente, e tripudiou dizendo bobagens como “learn to play”. Bostinha.

__

EB: There seems to be tension between you and Team Evil Geniuses. Would you like to comment on that?

TotalBiscuit: (…) The issue is with IdrA specifically. I perceive IdrA as a person who snatches headlines from others who deserve them more, through negative actions. For instance, in a recent open tournament, he faced off against one of the strongest Zerg players in Europe, Nerchio, in a best of 3. He lost the first game within 8 minutes and forfeitted the remainder of the series, rather than face Nerchio in one more game. Bear in mind this was the semi-final, of a tournament which had 10 rounds and over 600 players, he fought his way through the bracket to get all the way to the semi-final and then waved the white-flag rather than be potentially crushed again in front of a live audience. This caused a lot of drama within the community and it's not the first time that his actions have lead to this, meanwhile Nerchio went on to defeat Korean player Yong in a stunning comeback and exceptional display of tenacity and skill, having lost the first 2 games in what was shaping up to be a white-wash in favour of the Korean. That to me, was the headline of the tournament and yet IdrA's antics once again became the centre of attention. It's embarrassing and for someone who plays StarCraft 2 for a living, he gives up easier than any other professional I can think of and I cannot respect him as a result. I wouldn't want someone like that in one of my tournaments and to be honest, the only issue I have with EG is that they are not visibly going out of their way to stop this behaviour from one of their star players. (…)

14 de setembro de 2011

O Tea Party é uma festa (de Halloween)

Infalíveis, Jon Stewart e Stephen Colbert deitaram e rolaram sobre o “Tea Party Republican Debate” do início dessa semana.

Stewart, primeiro, humilhou a cosmética do debate na CNN, à la reality show. Um horror, de fato. Se a pirotecnia da Globo me dava alergia, é porque ainda não tinha visto essa coisa bizarra da CNN.

Depois, o “correspondente” do Daily Show Al Madrigal resumiu bem o pensamento da galera presente no debate em Tampa, Flórida: “Ronald Reagan era um comuna hollywoodiano que aumentou impostos, fez crescer o governo e deu anistia a imigrantes ilegais. Aquele pobre filho da puta seria devorado vivo por essa platéia.”

Pois é. Dois momentos escrotíssimos protagonizados pela galerinha Tea Party servem de exemplo. O primeiro foi quando alguns responderam com um “yeah!” à pergunta do Wolf Blitzer ao Ron Paul, sobre se o candidato deixaria um rapaz de 30 anos em coma morrer sem tratamentos médicos porque não tem plano de saúde. O segundo, quando o recorde de execuções do governador do Texas Rick Perry foi ovacionado, num outro debate. Colbert:

Perry, o executioner, o anticiência, o criacionista, é o favorito da turminha. McCain é um progressista, um humanista, perto dele. Se a economia não desandar mais ainda, Obamão dá de landslide em 2012.

Fora isso, Krugman e Al Gore foram os entrevistados de ontem. A entrevista com o Gore está sensacional. Ele teve um lapso, fez referência ao personagem do host, depois ficou tentando se explicar e gerou uma piada expontânea. O talento do Colbert pra crescer no inesperado é admirável.

11 de setembro de 2011

The Man Falling

As imagens e vídeos dos jumpers do WTC são [adjetivo ainda não inventado].

As estimativas variam, mas o consenso é que por volta de 200 pessoas pularam/caíram do alto das Torres Gêmeas há 10 anos atrás. A imensa maioria deles, da Torre Norte, a primeira atingida. Quem estava nos andares acima do impacto do avião não teve chance. Todas as rotas de fuga (escadas) foram cortadas. Todos morreram de forma terrível. Sufocados pela fumaça, queimados, cozidos. Ou numa queda impensável, de eternos dez segundos. “Uma solitária jornada de dez segundos” é a expressão usada no documentário mencionado no post abaixo, The Falling Man.

Já vi muitos vídeos dos jumpers. Inúmeros. Mais do que qualquer detalhe desse evento inacreditável, me fascinam e me aterrorizam. Mesmo assim, não consigo virar os olhos. É o sublime. O próximo post, uma tradução, tratará disso.

O repositório da internet é imenso. Há fotos de jumpers pulando juntos, dando as mãos, em grupos de quatro ou cinco, sozinhos. A quem procura: saiba que há riscos. Principalmente, o de ficar hipnotizado e não conseguir definir o horror. É péssimo não saber definir as coisas. Tentei uma vez. Serviu para amenizar um pouco minha curiosidade mórbida e aquiescer com a escolha de quem pulou.

Mas o que ocorre a partir dos 5:30 minutos do vídeo abaixo está ainda mais além de mim. Só fui capaz de assistir a isso pois já estava dessensibilizado pelos vários outros vídeos de jumpers. É o único vídeo, que conheço, de alguém caindo da Torre Sul.

Este não é um jumper, no sentido da palavra, embora nenhum o seja de fato. Ele escolheu fazer o impossível para viver. Pensou poder fazer uma façanha para evitar a morte. Em poucos segundos, seu plano desesperado transforma-se em [substantivo não inventado].

No plaza, em um prédio contíguo à Torre Sul, o câmera registrava os últimos segundos da vida desse homem enquanto tocava, nas caixas de som do plaza, um arranjo de elevador para uma música de elevador, How Deep is Your Love.

A esse tipo de tragédia e a esse nível de ironia não há qualquer imaginação humana - arte, ciência ou religião, mesmo um artigo jornalístico ou um documentário - que dê respostas. Esse homem, em que pese sua enorme coragem, não é um Falling Man. É um Man Falling. Que alguém mais talentoso do que eu, um dia, lhe dê algum sentido. Pois tudo o que consigo é tentar sentir no íntimo o que ele sentiu e, como ele, sem poder expressar mais nada.

The Falling Man

The Falling Man é o nome de um artigo de Tom Junod publicado na revista Esquire, em setembro de 2003. Depois, virou filme. Um documentário. Sobre a foto de um homem e da busca por saber quem era esse homem.

Este homem:

fallingman-lg

Apesar de muita investigação, Junod não conseguiu saber quem era o Falling Man, embora tenha havido alguns candidatos plausíveis. Não importa. O que ele escreveu sobre os jumpers de exatamente 10 anos atrás tem um sentido em si mesmo. Segue o fim do texto, em tradução minha:

É Jonathan Briley o Falling Man? Poderia ser. Mas talvez ele não tenha pulado da janela por uma traição amorosa ou porque perdeu as esperanças. Talvez ele tenha pulado para cumprir os termos de um milagre. Talvez ele tenha pulado para voltar para casa, para sua família. Talvez ele sequer tenha pulado, porque ninguém pode pular para os braços de Deus.

Ó, não. Você tem que cair.

Sim, Jonathan Briley pode ser o Falling Man. Mas a única certeza que temos é a mesma do começo: quinze segundos depois das 9:41 da manhã, em 11 de setembro de 2001, um fotógrafo chamado Richard Drew tirou uma foto de um homem caindo pelo céu – caindo pelo tempo e, também, pelo espaço. A imagem rodou o mundo, e depois desapareceu, como se a tivéssemos desfeito. Uma das mais famosas fotografias na história humana virou uma lápide anônima, e o homem enterrado em suas margens – o Falling Man – tornou-se o Soldado Desconhecido de uma guerra cujo fim ainda não vimos. A fotografia de Richard Drew é tudo o que sabemos dele, mas tudo o que sabemos dele é uma medida do que sabemos sobre nós mesmos. A imagem é seu cenotáfio e, como os monumentos dedicados à memória de soldados desconhecidos em todo lugar, pede que olhemos para ela e façamos um simples reconhecimento.

Que sabíamos quem era o Falling Man a todo momento.

10 de setembro de 2011

Hitchens escrevendo perto da morte

In the preface to my first collection of essays, Prepared for the Worst, in 1988, I annexed a thought of Nadine Gordimer's, to the effect that a serious person should try and write posthumously. By that I took her to mean that one should compose as if the usual constraints – of fashion, commerce, self-censorship, public and perhaps especially intellectual opinion – did not operate. Impossible perhaps to live up to, this admonition and aspiration did possess some muscle, as well as some warning of how it can decay. Then, about a year ago, I was informed by a doctor that I might have as little as another year to live. In consequence, some of my recent articles were written with the full consciousness that they may be my very last. Sobering in one way and exhilarating in another, this practice can obviously never become perfected. But it has given me a more vivid idea of what makes life worth living, and defending.

Em seu artigo sobre o 9/11 e a primavera árabe.

7 de setembro de 2011

Moldando o vazio

110912_r21259full_p233

“Moldando o Vazio” é o nome de um artigo de Paul Goldberger para a New Yorker, estranhamente datado de 12 de setembro de 2011. O texto conta algumas das peripécias enfrentadas pelo processo de reconstrução do Ground Zero (como é chamado aquele trapezóide enorme de que um dia fizeram parte as Torres Gêmeas). O final é bonito:

No início do processo de design, [o arquiteto Michael] Arad uniu-se ao paisagista Peter Walker, com quem divide uma sensibilidade minimalista, e eles fizeram do espaço ao redor das duas ‘pegadas’ [das torres originais] uma bonita e contida praça pública, com árvores de carvalho, bancos e postes de luz, dando ao lugar um tipo de ordem calma e firme. Você não o confundiria com um parque tradicional ou uma praça urbana, mas também não é um cemitério. Você sente dignidade e repouso, e vê as formas da cidade renovada nos novos arranha-céus, como deveria. O Ground Zero não pode ser um lugar onde seus pensamentos escapam completamente para a história, como no extraordinário Memorial dos Veteranos do Vietnã de Maya Lin ou no campo de batalha de Gettysburg. Você está no meio da cidade, parte de uma vida urbana que era tanto um alvo para os terroristas de 2001 quanto as vidas de três mil pessoas. As pessoas não mais voltarão, mas a vida da cidade precisa fazê-lo. Quando estiver no parque de Arad e Walker e olhar para as ‘pegadas’ cercadas de nomes com as novas torres por trás delas, você sentirá a profunda conexão entre essas duas verdades.

O memorial abre no próximo dia 11 de setembro.

31 de agosto de 2011

Kovacevich toca Beethoven


Baixe nos links abaixo TODAS as 32 sonatas para piano, do Beethoven, tocadas por Stephen Kovacevich. O único inconveniente desses arquivos é que as sonatas estão condensadas por CD (ou seja, cada MP3 é um CD com umas quatro ou cinco sonatas) e eu não tenho paciência, hoje, de separar uma por uma manualmente. Sei que, para quem não conhece as sonatas, fica difícil saber qual é qual.

Que eu saiba, praticamente tudo o que Beethoven escreveu pra piano solo está aí (incluindo as bagatelles). Faltam só as Variações Diabelli (você pode encontrá-las pelas mãos do Paul Lewis aqui e com o próprio Kovacevich nesse post, que também conta com os cinco concertos para piano que o Ludwig Van escreveu).

O intuito desse post não é prejudicar ninguém, seja o artista, seja a gravadora. Está mais na linha do que disse o grande P. Q. P. Bach: o negócio é "polinizar beleza pela blogosfera e suas margens". Se os detentores dos direitos autorais dessa obra acharem que compartilhar uma obra-prima dessas com nossos semelhantes consiste em algum crime ou prejudica a arte, favor contactar o autor do blog.

Sonatas 1-3

Sonatas 4-7

Sonatas 8-11

Sonatas 12-15

Sonatas 16-20

Sonatas 21-25

Sonatas 26-28, 30

Sonatas 29, 31

Sonata 32, bagatelles

28 de agosto de 2011

Beethoven, Sonata 26, Les Adieux

Aproveitando a deixa da NPR, segue Gilels tocando a Les Adieux, Sonata 26. Só o primeiro movimento, que eu acho o mais massa.

Beethoven, Piano Sonata 32, op. 111

Schiff tocando a minha quase-favorita do momento:

De onde você vem?