29 de dezembro de 2012

Os privilegiados da China, de novo

Cory Doctorow, do Boing Boing, indicou um ótimo link pra ver como a oligarquia chinesa vem se locupletando nas últimas décadas.

21 de dezembro de 2012

Bernstein, Woodward, Murdoch

Carl Bernstein, aquele jornalista do Washington Post cuja cobertura do caso Watergate em dupla com Bob Woodward levou à renúncia de Nixon, publicou ontem na seção de opinião do jornal britânico The Guardian um artigo demolidor contra Rupert Murdoch, a Fox News e o jornalismo canalha e covarde que parece se alastrar como praga no mundo ocidental.

Até aí, nada demais: que jornalista sério não desce a lenha no Murdoch e na Fox? O que realmente torna o artigo um interessante capítulo na atual guerra jornalística é o motivo da diatribe de Bernstein: uma matéria bombástica de seu próprio ex-parceiro, inexplicavelmente enterrada numa seção anódina do jornal que outrora bancou uma aventura jornalística que derrubou um presidente da república, rendeu um prêmio Pulitzer e ficou marcada como exemplar na história do jornalismo.

Em resumo, o caso é o seguinte: Woodward teve acesso a uma gravação que documenta uma conversa entre uma emissária de Roger Ailes, presidente da Fox, e o general David Petraeus, que então surfava uma enorme onda de credibilidade e popularidade. O plano de Murdoch era usar a popularidade de Petraeus e tirar Obama da Casa Branca ao usar o enorme potencial propagandístico de seu império midiático para martelar a imagem de Petraeus no público americano e injetar uma gigantesca quantia de dinheiro na candidatura do “General Gmail”. Ou seja, o objetivo era, na prática, comprar a presidência.

Sorte que Petraeus não topou. Quis ser chefe da CIA. Disse que sua mulher se divorciaria dele caso se candidatasse à presidência. Ah, as ironias do destino.

Enfim. O Washington Post, na posse de um cano fumegante desses, o que fez? Escondeu a matéria no caderno Style (que, além de tudo, é brega). Não deram primeira página, não saiu no primeiro caderno, nas páginas de política. Saiu enterrada num caderno irrelevante de fofocas a evidência clara do uso abusivo de poder midiático que tornou Murdoch e suas empresas num arquétipo infelizmente copiado pelos Civitas do resto do mundo.

O resultado é que nenhum grande jornal americano ecoou a notícia. De maneira decepcionante, o Washington Post se acovardou, o próprio Woodward não fez muito barulho e o resto da mídia, medrosa, silenciou.

Obrigado, Bernstein, por chutar o pau da barraca e não poupar colegas.

Abaixo, o artigo inteiro.

____________

 

Why the US media ignored Murdoch's brazen bid to hijack the presidency

Did the Washington Post and others underplay the story through fear of the News Corp chairman, or simply tin-eared judgment?

Carl Bernstein

 

So now we have it: what appears to be hard, irrefutable evidence ofRupert Murdoch's ultimate and most audacious attempt – thwarted, thankfully, by circumstance – to hijack America's democratic institutions on a scale equal to his success in kidnapping and corrupting the essential democratic institutions of Great Britain through money, influence and wholesale abuse of the privileges of a free press.

In the American instance, Murdoch's goal seems to have been nothing less than using his media empire – notably Fox News – to stealthily recruit, bankroll and support the presidential candidacy of General David Petraeus in the 2012 election.

Thus in the spring of 2011 – less than 10 weeks before Murdoch's centrality to the hacking and politician-buying scandal enveloping his British newspapers was definitively revealed – Fox News' inventor and president, Roger Ailes, dispatched an emissary to Afghanistan to urge Petraeus to turn down President Obama's expected offer to become CIA director and, instead, run for the Republican nomination for president, with promises of being bankrolled by Murdoch. Ailes himself would resign as president of Fox News and run the campaign, according to the conversation between Petraeus and the emissary, K T McFarland, a Fox News on-air defense "analyst" and former spear carrier for national security principals in three Republican administrations.

All this was revealed in a tape recording of Petraeus's meeting with McFarland obtained by Bob Woodward, whose account of their discussion, accompanied online by audio of the tape, was published in the Washington Post – distressingly, in its style section, and not on page one, where it belonged – and, under the style logo, online on December 3.

Indeed, almost as dismaying as Ailes' and Murdoch's disdain for an independent and truly free and honest press, and as remarkable as the obsequious eagerness of their messenger to convey their extraordinary presidential draft and promise of on-air Fox support to Petraeus, has been the ho-hum response to the story by the American press and the country's political establishment, whether out of fear of Murdoch, Ailes and Fox – or, perhaps, lack of surprise at Murdoch's, Ailes' and Fox's contempt for decent journalistic values or a transparent electoral process.

The tone of the media's reaction was set from the beginning by the Post's own tin-eared treatment of this huge story: relegating it, like any other juicy tidbit of inside-the-beltway media gossip, to the section of the newspaper and its website that focuses on entertainment, gossip, cultural and personality-driven news, instead of the front page.

"Bob had a great scoop, a buzzy media story that made it perfect for Style. It didn't have the broader import that would justify A1," Liz Spayd, the Post's managing editor, told Politico when asked why the story appeared in the style section.

Buzzy media story? Lacking the "broader import" of a front-page story? One cannot imagine such a failure of news judgment among any of Spayd's modern predecessors as managing editors of the Post, especially in the clear light of the next day and with a tape recording – of the highest audio quality – in hand.

"Tell [Ailes] if I ever ran," Petraeus announces on the crystal-clear digital recording and then laughs, "but I won't … but if I ever ran, I'd take him up on his offer. … He said he would quit Fox … and bankroll it."

McFarland clarified the terms: "The big boss is bankrolling it. Roger's going to run it. And the rest of us are going to be your in-house" – thereby confirming what Fox New critics have consistently maintained about the network's faux-news agenda and its built-in ideological bias.

And here let us posit the following: were an emissary of the president of NBC News, or of the editor of the New York Times or the Washington Post ever caught on tape promising what Ailes and Murdoch had apparently suggested and offered here, the hue and cry, especially from Fox News and Republican/Tea Party America, from the Congress to the US Chamber of Commerce to the Heritage Foundation, would be deafening and not be subdued until there was a congressional investigation, and the resignations were in hand of the editor and publisher of the network or newspaper. Or until there had been plausible and convincing evidence that the most important elements of the story were false. And, of course, the story would continue day after day on page one and remain near the top of the evening news for weeks, until every ounce of (justifiable) piety about freedom of the press and unfettered presidential elections had been exhausted.

The tape of Petraeus and McFarland's conversation is an amazing document, a testament to the willingness of Murdoch and the wily genius he hired to create Fox News to run roughshod over the American civic and political landscape without regard to even the traditional niceties or pretenses of journalistic independence and honesty. Like the revelations of the hacking scandal, which established beyond any doubt Murdoch's ability to capture and corrupt the three essential elements of the British civic compact – the press, politicians and police – the Ailes/Petraeus tape makes clear that Murdoch's goals in America have always been just as ambitious, insidious and nefarious.

The digital recording, and the dead-serious conspiratorial conversation it captures so chillingly in tone and substance ("I'm only reporting this back to Roger. And that's our deal," McFarland assured Petraeus as she unfolded the offer) utterly refutes Ailes' disingenuous dismissal of what he and Murdoch were actually attempting: the buying of the presidency.

"It was more of a joke, a wiseass way I have," Ailes would later claim while nonetheless confirming its meaning. "I thought the Republican field [in the primaries] needed to be shaken up and Petraeus might be a good candidate."

The recording deserves to be heard by any open-minded person trying to fathom its meaning to the fullest.

Murdoch and Ailes have erected an incredibly influential media empire that has unrivaled power in British and American culture: rather than judiciously exercising that power or improving reportorial and journalistic standards with their huge resources, they have, more often than not, recklessly pursued an agenda of sensationalism, manufactured controversy, ideological messianism, and political influence-buying while masquerading as exemplars of a free and responsible press. The tape is powerful evidence of their methodology and reach.

The Murdoch story – his corruption of essential democratic institutions on both sides of the Atlantic – is one of the most important and far-reaching political/cultural stories of the past 30 years, an ongoing tale without equal. Like Richard Nixon and his tapes, much attention has been focused on the necessity of finding the smoking gun to confirm what other evidence had already established beyond a doubt: that the elemental instruments of democracy, ie the presidency in Nixon's case, and the privileges of free press in Murdoch's, were grievously misused and abused for their own ends by those entrusted to use great power for the common good.

In Nixon's case, the system worked. His actions were investigated by Congress, the judicial system held that even the president of the United States was not above the law, and he was forced to resign or face certain impeachment and conviction. American and British democracy has not been so fortunate with Murdoch, whose power and corruption went unchecked for a third of a century.

The most important thing we journalists do is make judgments about what is news. Perhaps no story has eluded us on a daily basis (for lack of trying) for so many years as the story of Murdoch's destructive march across our democratic landscape. Only the Guardian vigorously pursued the leads of the hacking story and methodically stuck with it for months and years, never ignoring the underlying context of how Rupert Murdoch conducted his take-no-prisoners business and journalism without regard for the most elemental standards of fairness, accuracy or balance, or even lawful conduct.

When the Guardian's hacking coverage reached critical mass last year, I quoted a former top Murdoch deputy as follows: "This scandal and all its implications could not have happened anywhere else. Only in Murdoch's orbit. The hacking at News of the World was done on an industrial scale. More than anyone, Murdoch invented and established this culture in the newsroom, where you do whatever it takes to get the story, take no prisoners, destroy the competition, and the end will justify the means."

The tape that Bob Woodward obtained, and which the Washington Post ran in the style section, should be the denouement of the Murdoch story on both sides of the Atlantic, making clear that no institution, not even the presidency of the United States, was beyond the object of his subversion. If Murdoch had bankrolled a successful Petraeus presidential campaign and – as his emissary McFarland promised – "the rest of us [at Fox] are going to be your in-house" – Murdoch arguably might have sewn up the institutions of American democracy even more securely than his British tailoring.

Happily, Petraeus was not hungering for the presidency at the moment of the messenger's arrival: the general was contented at the idea of being CIA director, which Ailes was urging him to forgo.

"We're all set," said the emissary, referring to Ailes, Murdoch and Fox. "It's never going to happen," Petraeus said. "You know it's never going to happen. It really isn't. … My wife would divorce me."

9 de dezembro de 2012

Objetividade

Upei um trecho de The Unanswered Question, seis aulas do compositor e regente Leonard Bernstein em Harvard. Na série, Bernstein explora as relações entre música e linguagem, mirando nos significados, estruturas e destinos da música.

Você pode assistir às seis palestras, na íntegra, nessa playlist aqui.

No trecho em questão, Bernstein explica como a objetividade foi usada na arte do início do século XX como resposta aos exageros de subjetivismo romântico que começavam a sufocar a música.

Leonard era um ser humano belíssimo.

6 de dezembro de 2012

Beavis & Butt-Head

A relação entre o jornalista e o público é análoga à que o Butt-Head tem com o Beavis.

Ambos são retardados, mas Butt-Head tem uma postura que camufla esse fato. Logo, Beavis o respeita.

Em muitas ocasiões, Beavis está com a razão. Butt-Head, porém, o subestima e não aceita a possibilidade de que Beavis esteja certo. Igualmente otário, Butt-Head não o ouve, não o vê, não o respeita, por conseguinte. O resultado é que, na maioria das vezes, Beavis reconsidera a sua opinião.

Beavis & Butt-Head são de um tempo pré-internet.

E a internet permite a Beavis perceber que Butt-Head não é nada disso. A questão é se ele quer enxergar. Caso a postura de ambos não mude, estarão em uma relação fadada ao desaparecimento.

A grande, grande, grande sonata número 2 do Shostakovich, nas mãos da Valentina Lisitsa

Apesar da doçura de parte da obra de Shostakovich (exemplo no post anterior), dizem que o grosso daquilo que ele produziu, o que ele fez de mais relevante, vem pra jogar o abismo na cara de todo mundo.

Ele olhou o abismo nos olhos. Foi perseguido por Stalin. Ele sabia do que estava falando.

E pensar que a moça aí quase desistiu de tocar piano.

5 de dezembro de 2012

The Limpid Stream

Achei essa maravilha do Shostakovich por acaso e está sendo difícil parar de ouví-la:



Encontrei essa preciosidade por acaso, pois é homônima de um nocturne do próprio Shostakovich, que por sua vez vem a ser uma das coisas mais lindas e surrealmente doces que já ouvi para piano:



(Algum conhecedor poderia me explicar por que as duas peças têm o mesmo nome? Não encontrei a resposta.)

Edit: procurei a informação. The Limpid Stream é uma peça para balé (ok, isso já é dito no vídeo do youtube). Mas será que o nocturne também faz parte da mesma peça? Isso eu ainda não encontrei.

19 de novembro de 2012

Psicografia? Sei…

I also find the difference between novice and experts psychographers to be very revealing. If psychography were truly a matter of entering a trance-state in which another entity were taking over and doing the writing, why would there be any activity of the brain areas involved in such writing, and why the difference between novices and experts? Either the psychographer is the source of the writing or some other entity is. I would expect, therefore, a binary result with “fakers” and true mediums showing completely distinct patterns of brain activity. There would also not be a direct relationship with experience, as you might have some experienced fakers and novice but genuine psychographers.

The pattern of results, however, is completely consistent with the conclusion that psychography is a performance by the psychographer, a skill that is developed over time like any other skill.

Estudando o cérebro de médiuns.

9 de novembro de 2012

Evento: lembrando Carl Sagan

Hoje, 9 de novembro, Carl Sagan completaria 78 anos.

À 1h da madrugada no Brasil, 7h da noite na Califórnia, haverá um evento em homenagem ao Carl, que poderá ser assistido abaixo.

O evento contará com a participação do físico Kip Thorne, da produtora Lynda Obst (importante figura no final da vida de Sagan) e do brasileiro Wladimir Lyra, astrônomo, Sagan Fellow no JPL/NASA, que pesquisa discos protoplanetários (uma das coisas mais interessantes para se estudar em astronomia, hoje, na minha opinião de leigo).

Quem sabe posso até aproveitar algo para a minha dissertação de mestrado sobre o Sagan, ainda em curso, que pretendo defender em breve.

7 de novembro de 2012

United States of Ohio (9)

Obama deu uma galopada no final da apuração do voto popular, como é chamada a contagem que deveria decidir a eleição, mas não decide: 60,4 milhões, contra 57,6 de Romney. 2% de diferença.

Até nisso o Nate Silver acertou.

Silver foi atacado pesadamente, nos últimos dias. Seus cálculos de probabilidade, que apontaram o favoritismo de Obama nos swing states durante a reta final, foram desqualificados pelos analistas da mídia conservadora, reis na opinião e párias nos fatos.

Racionalidade, 1 a 0.

Atualização: abaixo, a última do xkcd!


United States of Ohio (8)

Como é bom ver essa gente espernear.

Faz tempo, a Fox News vem criando ficções com roupa de realidade para uma enorme fatia da população americana. Em sua versão fictícia do mundo, há doses generosas de paranoia e conspiracionismo refogadas num caldeirão nacionalista que beira o fascismo.

Obama acabou de discursar. O mote: o país está rachado e devemos cuidar para que não seja assim. Desconfio que isso não seja apenas fruto da necessidade protocolar de louvar a unicidade de uma nação após uma campanha acirrada pelo poder.

Só agora, com 85% das urnas apuradas, Obama ostenta a liderança na contagem geral de votos. Pouco mais de 100 mil votos o separam de Romney, num universo de uns 120 milhões de eleitores votantes. Essa deverá ser a eleição mais apertada, nesse quesito, desde Nixon e Kennedy, ou Dewey e Truman, não sei.

Bem mais de 50 milhões de pessoas votaram contra Obama. A maioria delas vive dentro de uma bolha de fantasia reacionária, conscientemente reforçada por um cínico modelo de negócios no ramo da desinformação e da mentira, inflamada com sentimentos de medo, territorialidade, etnocentrismo e individualismo, caracterizada por uma persistente falta de percepção do outro, manifestada como intolerância religiosa, como racismo e como um incompreensível desdém por toda miséria humana.

Nada garante que, com uma economia agonizante, esse discurso reacionário se enfraqueça. Pelo contrário.

Por isso, é momentaneamente tranquilizador que o moderadamente conservador Obama tenha conseguido se manter no poder. Mas é perturbador que um discurso tão desconectado da realidade quase o tenha derrubado. Um clima ideológico cada vez mais envenenado pelo cinismo no maior poder bélico e nuclear do mundo não é boa coisa.

“Estamos” quase todos fudidos, disse alguém num comentário por aqui.

Pode ser. Pode bem ser.

Estão brincando com fogo.

United States of Ohio (7)

A Fox News já incluiu Ohio na conta do Obama. Se o diário oficial do Partido Republicano já concedeu, o que mais falta? Nada.

Quase todos os swing states estão indo para Obama. Até mesmo a Flórida, e por só 40 mil votos.

Só resta saber se Obama vai virar o placar nos votos totais, o que deverá fazer quando a Califórnia for apurada. Mas isso não vale porra nenhuma.

A direita sã com face humana continuará governando. A direitaça reaça religiosa irracional fascista vai ficar de fora por mais quatro anos, embora tenha carregado novamente a Casa dos Representantes (Câmara dos Deputados). Vão fustigar o Obama por mais dois anos. Quem pagará a conta? Não vai ser o 1% mais rico da população.

Estão quase todos fudidos.

United States of Ohio (6)

O Estadão está com o site de apurações super-rápido. Mais rápido que o NYT.

Flórida, 85% dos votos apurados: a liderança do Obama vai a 13 mil. Não significa muita coisa, ainda.

Ohio, 1/3 das urnas apuradas: vantagem de Obama em pouco mais de 4%. Caiu um pouco, mas de quais áreas estão vindo os votos? Eis a questão. A boca de urna deu Obama por uma vantagem similar à que ele tem agora.

United States of Ohio (5)

7 milhões de votos apurados (mais de dois terços) na Flórida e Obama lidera por menos de 2 mil votos.

Obama pode se dar ao luxo de perder a Flórida. Romney, não.

Nate Silver lembra que o condado onde fica a cidade de Tampa é um dos mais importantes pois geralmente quem o leva, leva o estado. Obama está na frente, lá.

E Ohio? Obama tem uma margem segura na liderança, 8%, embora apenas 16% dos votos já foram apurados.

6 de novembro de 2012

United States of Ohio (4)

Nate Silver, o estatístico do NYT, começou há pouco seu live-blog da apuração das eleições americanas.

Esse cara é bom. A análise que ele faz é extremamente pormenorizada. Fiquemos de olho no que ele diz sobre os resultados iniciais de Virgínia e Flórida.

United States of Ohio (3)

Esses caras do Independent pegaram o espírito da coisa:
“As soon as your TV network of choice calls a state as red or blue – take a drink of that colour. This may be red or blue packaging (eg, Budweiser and Brooklyn beers) or the drinks themselves (eg Chambord and curacao). If you opt for the latter pairing, don't expect to be conscious when they call Colorado at 5am.”
Poucas coisas são tão divertidas quanto a apuração das eleições americanas.

Que dê Obama. Mas com pitadas do drama daquele clássico de 2000, Gore vs. Bush. (Embora recontagem já seja pedir demais).

Acid Rain

“The Human Rights Commission of Pakistan reported 943 women were murdered in honour killings last year, an increase of more than 100 on 2010. But it may be that both honour assaults and acid attacks are even more prevalent. The commission's spokesman, Zaman Khan, said recently that it is suspected that many such offences are not reported.”

Da notícia no Independent: Pais que mataram a própria filha com ácido dizem que era o destino dela [morrer dessa forma].

United States of Ohio (2)

A terça-feira começa com 92,1% de chances de vitória de Obama em Ohio, e 92,2% de chances de vitória no Colégio Eleitoral, segundo Nate Silver.

Detalhes de menor importância: Colorado e Virginia com mais de 80% de chances de irem para Obama. Eram indefinidos até uma semana atrás. Até a Flórida passou para o lado do Obama, pro Nate.

Já era. O negão tá reeleito. Chupa, direitaça religiosa reaça.

Amém

“We have desperately to find our way back to human values. I would even say to religion. There is nothing supernatural in my mind. Nature is my religion, and it´s enough for me… What I mean is: We need some widely shared view of the place of Man in the Universe.”

George Wald, citado por Carl Sagan em The Cosmic Connection.

Tradução livre: “Nós precisamos, desesperadamente, encontrar um caminho de volta aos valores humanos. Eu diria, até, à religião. Não tenho nada sobrenatural em mente. A natureza é minha religião, e isso é o suficiente para mim… O que quero dizer é: Nós precisamos de uma visão largamente compartilhada sobre o lugar do Homem no Universo.”

Amém.

31 de outubro de 2012

Como tem cara-de-pau no mundo…

“Deixem o Deus Mercado cuidar das áreas afetadas por desastres naturais”. Sem brincadeira, é essa a ideia do cidadão.

Mas não só dele. Sabe quem defendeu a mesma coisa, há uns meses atrás?

Mitt Romney.

26 de outubro de 2012

Família do premiê chinês se locupleta espetacularmente

Baixe aqui a versão completa (para quem já estourou o limite de visualizações) da matéria do New York Times, veiculada ontem, sobre o enriquecimento meteórico da família do premiê chinês, Wen Jiabao.

A longa, excelente matéria de David Barboza traz “an unusually detailed look at how politically connected people have profited from being at the intersection of government and business as state influence and private wealth converge in China’s fast-growing economy.”

Vale a pena, a leitura.

Atualização: a China bloqueou o acesso ao artigo do NYT, diz o jornal.

25 de outubro de 2012

United States of Ohio

As campanhas não triscam perto da Califórnia, Texas, Nova York, Illinois, Georgia…

Todos os presidentes eleitos desde 1964 levaram Ohio.

Quem levar Ohio, em novembro, estará na Casa Branca em 2013.

Segundo Nate Silver, Obama tem 74% de chances de levar Ohio, hoje. Aparece 5 pontos à frente, no estado.

O Colégio Eleitoral, que favoreceu Bush em 2000, pode dar uma vitória aos democratas mesmo com estes sendo derrotados no voto popular. Romney pode até levar a Flórida (como parece que vai), ser o mais votado nacionalmente (como é bem possível que ocorra) e sair derrotado.

Ainda bem. Mas é uma piada, não é?

22 de outubro de 2012

Como não sentir o terror?

Gostaria de ser racional como o sujeito que escreveu isso, mas não consigo. Não faz sentido, eu sei, mas e daí?

[…] Suppose you're at a party. It's great, and you wish you could stay, but this is taking place in high school, and your mother is going to call and tell you it's time to go home. Now, there's nothing bad about being at home; it's intrinsically neutral. You just wish you could stay at the party.

Suppose you know that the call is going to come at midnight, guaranteed. Then, I think, there isn't anything to be afraid of. But if all you know is that your mother is going to call some time between 11 pm and 1 am, the conditions for appropriate fear have been met. There is something bad, there is a non-negligible chance of it happening, and yet there is also a lack of certainty that it will happen. Now some degree of fear makes sense. Perhaps we have something similar with regard to death. Perhaps it makes sense to be afraid given the unpredictability of death.

Further distinctions might be helpful. Am I afraid that I will die soon, in the sense that, given the range of years I might reasonably hope for, death may come sooner rather than later? Or am I afraid that I will die young, with death coming sooner for me than it does for others? These ways of specifying the object of my potential fear differ in important ways, including how much fear is appropriate, and when.

Take the fear of dying young. Clearly, if you have reached middle age any fear of dying young is irrational. But even among the young, the chance of this actually happening is extremely small.

As one grows older, the chance of dying within a given period increases. But even here, fear that one will die soon can easily be out of proportion. Even an 80-year-old has a more than 90 per cent chance of living at least another year.

Obviously, fear that death may come soon can make sense among the very sick or the very aged. But for the rest of us, I think, it is typically misplaced. If you are reasonably healthy and yet you say to me, "I am terrified of death", then all I can say in response is that I believe you, but terror is not appropriate. It doesn't make sense, given the facts.

16 de outubro de 2012

Oh, Canadá…

Se tucanarem e não condenarem o governo conservador canadense depois dessa, os acadêmicos libertários relativistas podem ir para o espaço – embora não dê pra ir pro espaço sem ciência.

O artigo abaixo é Governando no escuro: a perigosa revolução anticientífica de Ottawa, de C. Scott Findlay. Vai na íntegra. Não dá pra ficar pondo reparos epistemológicos quando a guerra é aberta e suja.

_____

Governing in the dark: Ottawa’s dangerous unscientific revolution

Most Canadians understand that our well-being depends on science. But Canadian science is under assault. And scientists, like Peter Finch in the film Network, are mad as hell. In July, more than 2,000 of them staged a mock funeral for scientific evidence on Parliament Hill to protest the Harper government’s dismantling of Canadian institutions that collect scientific evidence, the muzzling of government scientists, and the erosion of the role of scientific evidence in public debate and regulatory decisions.

The rally was covered by news media across Canada and around the world. Nature, perhaps the world’s premier science journal, ran a lead editorial on the event, concluding: “If the Harper government has valid strategic reasons to undermine vital sectors of Canadian science, then it should say so . . .”

Predictably, the next day Minister of State for Science and Technology Gary Goodyear issued a hasty press release pointing out that the last budget included a $1.1 billion investment in science. Even the lay public saw through this embarrassingly transparent attempt to dodge the issue, which was about the gathering, unfiltered dissemination and use of scientific evidence, not about the funding of science writ large.

Even so, close examination of the $1.1 billion investment shows that much has been allocated to industry and commercial science partnerships. Meanwhile, the proportion of funding allocated to basic research, such as the budget of the Discovery Grants program of the Natural Sciences and Engineering Research Council, has been dropping steadily since 2006.

The science enterprise is like a pyramid. At the base are scientists engaged in the importunate probing of nature’s corpus — say, characterizing the molecular signalling pathways whose activation predisposes cells to become cancerous. Balancing on their shoulders are scientists who apply this knowledge to existing problems — say, developing a cancer drug that will block some of these signalling pathways. And teetering at the apex are scientists engaged in the industrialization of applied research — say, finding efficient ways of producing cancer drugs in large quantities at a reasonable price.

As children, we learned that the larger the base, the taller the pyramid that can be supported: the more basic research, the more opportunities for commercialization and industrialization. Moreover, an uneven base — areas of science where there is comparatively little basic research — not only means no corresponding opportunities for application or industrialization but, worse still, increases the chances of the whole structure toppling over. So too does overloading the top levels: after all, even the most robust basic scientist can support only so many of her applied and industrialization colleagues on her shoulders.

There are at least four reasons why all Canadians should repudiate Prime Minister Harper’s systematic erosion of science capacity in some areas, and more generally, his repudiation of scientific evidence.

First, true democracy is possible only with a well-informed and skeptical populace. And it is scientific evidence that informs, and the spirit of scientific inquiry that motivates, this essential constructive skepticism.

Second, the repudiation of scientific evidence is a de facto rejection of one of humanity’s greatest intellectual pursuits. It is a slap in the face to the hundreds of thousands of science students in high schools, colleges and universities — and the spirit of intellectual curiosity and imagination that motivates them. In short, it undermines the intellectual capacity on which the future progress of Canadian society depends.

Third, there are areas of basic and applied research which are enormously important for the welfare of Canadians yet for which there is little potential for industrialization or commercialization — for example, the science that informs how best to protect both ourselves and our environment from the unsalutary consequences of the industrialization and commercialization of scientific knowledge.

Fourth, our tax dollars go to support programs and policies that are designed, we are told, to achieve certain goals. The more scientific evidence that is considered in taking decisions, the more likely we are to achieve desired goals and avoid undesired consequences.

Evidence-free decisions are merely uneducated guesswork. Scientific evidence is a form of insurance, a comparatively inexpensive yet effective way to ensure that much larger investments in government programs are not wasted, that opportunities are not squandered, and that others will not have to shoulder the burden of (whoops!) undesired and unanticipated consequences. In other words, scientific evidence forms the basis for true public accountability. And isn’t accountability the horse on which Harper rode into Parliament?

C. Scott Findlay is an associate professor in the biology department at the University of Ottawa and a visiting research scientist at the Ottawa Hospital Research Institute.

15 de outubro de 2012

A sonata mulattica

A história é deliciosa e a música, melhor ainda.

Ranulfus, do PQP Bach, conta a história da sonata para violino número 9, conhecida injustamente como Sonata a Kreutzer (até Tolstói escreveu inspirado por ela e deu ao seu livro o mesmo injusto, mas popular, nome). A peça é resultado do encontro musical e etílico entre um Beethoven ainda mais ou menos jovem e a improvável figura do violinista virtuose George Bridgetower, um mestiço com um pé nas cortes européias e outro na escravidão negra do Caribe:

Aos 25 anos, em licença, George chega a Viena, onde Beethoven, com 33, já pontificava. A amizade parece ter sido imediata, informal e entusiástica: Beethoven retoma alguns esboços, e em uma semana conclui a nona e mais importante das suas sonatas para violino e piano. Vão estreá-la juntos em 25/05/1803, com Bridgetower – acreditem ou não – tocando boa parte à primeira vista, e ainda lendo por sobre o ombro do compositor, pois nem tinha havido tempo para copiar a parte do violino.

Mas o melhor da história vem no segundo movimento, quando o piano reapresentava sozinho uma idéia exposta antes pelo violino – e Bridgetower ousou improvisar comentários uma oitava acima em vez de aguardar. Beethoven teria saltado do piano e… ao contrário do que se poderia esperar do seu gênio, teria abraçado o violinista com palavras que se traduzem perfeitamente por “Mais, camaradinha, mais!” – o que me faz perguntar: terá sido essa a primeira jam session da história?

Que o clima era de divertimento, atesta-o também o título que aparece no manuscrito original: nada menos que “Sonata mulattica, composta per il mulatto Brischdauer [grafia jocosa do nome], gran pazzo [grande maluco] e conpositore mulattico” – havendo referência ainda à anotação “Sonata per un mulattico lunatico”.

Tão informal, porém… que segundo um relato da época os dois teriam comemorado a estréia com uma bebedeira homérica, no meio da qual Beethoven teria se dado por ofendido por uma observação de Bridgetower sobre determinada mulher… A amizade teria terminado aí, e seria por isso que pouco tempo depois Beethoven enviou a sonata com dedicatória ao francês Rodolphe Kreutzer, violinista mais famoso da época.

Outros veem uma razão mais pragmática: com brigas ou não, Beethoven planejava uma temporada em Paris e pensou que dedicar a sonata a Kreutzer podia ajudar no projeto. O fato é que a viagem não se concretizou, e Kreutzer, por sua vez, apenas passou os olhos e disse que a obra era um nonsense inexecutável, e que de resto não lhe interessava porque ‘nem era virgem’ (a expressão é minha)… Nunca tocou a peça que imortalizou seu nome injustamente, enquanto o de Bridgetower só recentemente vem sendo recuperado.

Um bundão, enfim, o tal de Kreutzer. E gran pazzo, o Bridgetower.

Mas vamos ao que realmente interessa.

A música é simplesmente irresistível; pega o teu ouvido de primeira e não larga mais. Abaixo, ei-la completa nas mãos da grande pianista Martha Argerich e do violinista Gidon Kremer.

9 de outubro de 2012

Boa, Zizek

Certinho, Zizek. Certinho.

8 de outubro de 2012

Nós realmente precisamos da educação

Inesperadamente, uma reportagem bonitinha sobre o mundo animal torna-se uma das melhores defesas da educação e, principalmente, do papel do professor no futuro da nossa espécie. E sem chauvinismos antropocêntricos indentificáveis, como seria de se esperar.

Fiquem com a íntegra do bom texto de Jason G. Goldman, da BBC.

Pay attention… time for lessons at animal school

Welcome to Meerkat Academy. Admission is free, and lunch is provided, though the only thing on the menu is scorpions. While scorpions are tasty and nutritious, they are extremely dangerous. Just one mistake with an untrained eye or an overeager paw could mean death for an unlucky meerkat. So young meerkats have to attend eating classes.

Teaching – or, as psychologists call it, pedagogy – is defined as a kind of communication between two or more individuals that results in the transfer of knowledge or skills, according to Hungarian developmental psychologists Giorgy Gergely and Gergely Csibra. To qualify as teaching, the teacher must also modify his or her behaviour by tailoring lessons based on the performance of the student. And the knowledge transferred must be information that can be applied to new people, objects, locations, or events – what is known as generalisable information. To mutilate the oft-quoted idiom, showing a man where to find a fish is not teaching, but teaching a man how to find fish is.

Back in meerkat academy, experienced adults provide their students with dead scorpions that have already had their stingers removed. This way, the young can learn how to remove the edible parts. Once they've mastered that lesson, the adults provide dead scorpions with stingers still intact. It is much easier for the juveniles to learn to remove stingers from dead scorpions than ones that are alive and squirming. Finally, the adults provide the juveniles with living, lethal scorpions. In this way, the inexperienced pups learn to effectively interact with scorpions progressing from completely safe specimens to increasingly dangerous ones, according to their age and skills.

So, the adult meerkats adjust the curriculum – and, therefore, their own behaviour – based upon the behaviour of the juveniles. However, the adults never actually demonstrate proper scorpion-killing methods, they merely provide the materials. It would be like a culinary instructor who provided her students with pots, pans, knives, and ingredients, but no recipe. Instructors at the meerkat academy don't actually teach, at least according to the definition outlined by Gergely and Csibra.

Tap class

Tandem-running ants may come closer. Like meerkats, when one ant knows the location of food, it explicitly modifies its behaviour so that the second ant can learn it as well. After leaving the nest, the demonstrator slows down or stops periodically so that the follower can memorise the route between the nest and the food source. If the process gets interrupted, the leader will wait for the learner to return before resuming the lesson. The way this works is that the knowledgeable ant takes the front position, and requires constant tapping on his rear end in order to continue demonstrating the path. The learner uses his antennae to tap the leader as if to say, "I'm paying attention, show me the way." While both meerkats and ants adjust their lessons based upon the behaviour of their students, only for ants is the interaction explicitly communicative and bidirectional.

However, this form of interaction among ants still doesn't fit the formal criteria for teaching. This is because the information that is transferred between the two ants is highly specific, and firmly situated within the here-and-now. Rather than showing each other how to find food more generally, the information provided is simply where food can be found at a specific moment in time. Many other animals instruct using this specific form of information flow. Bees display elaborate dances to indicate the location of food and monkeys use various calls to notify others of the presence of predators. A howler monkey that screams to inform others of an aerial predator can't communicate something like "aerial predators tend to hunt during the daytime," or "aerial predators come from the north." Cheetahs show their young how to stalk prey, which is general, but like meerkats, their interaction is not explicitly communicative.

Information hungry

In fact, every known teaching-like interaction among non-human animals involves only one specific kind of information transfer. Only human teaching fits all three criteria. And, more importantly, only humans are promiscuous teachers. Humans teach everything. Humans teach anything.

We teach differential calculus and how to tie shoes. We teach biochemistry and computer science, carpentry and pottery. When I was in middle school, I took an after-school calligraphy class. I spent two seasons trying football, one season attempting basketball, and one learning volleyball. I took drawing classes and painting classes, and spent one long afternoon learning the art of flower arrangement. In school, I enrolled in a badminton elective. I spent two years trying to learn to play the guitar.

What is it about humans that allows us to teach in a way that no other animal does? Gergely and Csibra argue that human communication itself is special. They write, "If I point at two aeroplanes and tell you that ‘aeroplanes fly’, what you learn is not restricted to the particular aeroplanes you see or to the present context, but will provide you generic knowledge about the kind of artifact these planes belong to that is generalisable to other members of the category and to variable contexts…"

What they're saying is that the generalisability of the information is manifest within the communication itself. They continue, "If I show you by manual demonstration how to open a milk carton, what you will learn is how to open that kind of container," not how to open only that particular container. The transmission of general knowledge is implicit within human communication, whether that communication is linguistic or not, it doesn't need to be deduced or inferred by the learner.

Of all the animals in the world, only humans build skyscrapers, follow recipes, play backgammon, learn statistics, receive DVDs by mail, and place laser-wielding robots on Mars. The kind of culture that humans enjoy can only exist because we are so proficient at teaching and at learning from teachers. In most ways, the differences between humans and non-human animals are ones of degree rather than of kind. But there’s one categorical difference between our species and every other. We teach, and we teach anything.

5 de outubro de 2012

4 de outubro de 2012

O real existe e a merda fede

Porque é bom dar um soco no estômago do idealismo de vez em quando.

rehab156

Clique para ampliar a representação.

Daqui.

Terra Sagrada


Caramba, que vídeo mais lindo!



via boing boing

PS. Nos comentários do Boing Boing, alguém perguntou, com típica falsa ingenuidade, se todas essas pessoas não poderiam dividir a tal Terra Sagrada. Aí veio uma resposta brilhante:

Well, you see, it works like this. There are three major religions, totaling among them something like 1/3rd of the human race, that believe that there is about a 1 square mile area in the middle of that land that they, and they only, must control. If they have to share it with anyone else, those other people will desecrate it, and that would be worse than if the whole human race died. And so they must fight, even if it costs the life of everyone on Earth, to keep those other two groups from even temporarily sharing that single square mile of ground.

And if we're very, very lucky, maybe an Israeli-Iranian or Israeli-Pakistani nuclear war will some day mean that that one square mile will become so irradiated that nobody can have it, and maybe then we'll get a few moments' peace. Hence the happy ending: the Angel of Death will finally be able to claim it as its own, and not just as the shrine to Death that it's been for the last 4,000 years or so.

3 de outubro de 2012

É a norma

Na Atlantic, uma resenha muito boa de um livro que parece ser muito bom.

"We sank a children's transport," admits one bomber, likely referring to an English passenger ship sunk in 1940, the authors note. "Talk about keeping the race pure," says another, speaking of Jewish women this time: "... at RIGA they first slept with them and then shot them to prevent them from talking." Or consider what was revealed of the brothels set up for soldiers with Western European, "racially suitable" women brought in by force: "Every woman had 14-15 men an hour. They changed the women every two days. We buried a lot of women there."

[…]

Where are the soldiers revealing their true feelings? Where are they behaving as most humans do in group situations? Did being National Socialists make a discernible difference in the soldiers' outlooks or actions? And Neitzel and Welzer examine the soldiers' paradoxical moral frameworks at length: It was always dishonorable to shoot at an enemy airman who had ejected from his plane, but often acceptable to mow down civilians; understandable to execute prisoners of war, but horrifying to starve them to death.

The authors make it clear that acts counting as war crimes today were not the exception but the norm. They both magnify so-called "German guilt" by showing the appalling attitudes even of non-Nazi soldiers, and show how unsatisfactory German exceptionalism or our conception of a pure, alien evil is at explaining it: The disturbing truth is that, comparable to what researchers have seen in other wars, the soldiers didn't require a gradual hardening to violence to be able to engage in murder. Most humans, Neitzel and Welzer suggest, are capable of brutality: it's just a question of what the social setting they are put in encourages.

[…]

It's especially easy to see the perpetrator as alien, as an agent of pure inhuman evil, in the case of crimes particularly repulsive to contemporary sensibilities. But Soldaten argues that German soldiers were not in fact different types of humans than we are. They weren't "bad for society" because they were insufficiently human, in other words; they became bad for humanity because of the society they were living in.

20 de setembro de 2012

Arrau (genialmente) tocando Debussy

Claudio Arrau tocando o Prelúdio da Suite Bergamasque, de Claude Debussy.

Gostei muito dessa interpretação. O Arrau toca-a muito mais lentamente do que normalmente visto por aí. E funciona de um tal jeito que, ao ouvir as versões mais rápidas, é difícil não sentir saudades dessa aqui.

13 de setembro de 2012

Shostakovich, piano sonata 2

Peça para piano favorita do momento: Sonata número 2 de Shostakovich.

Interpretação de Maria Yudina.

12 de setembro de 2012

A explosão em Júpiter

Aqui, ói:

http://www.flickr.com/photos/19299984@N08/7976507568/

O que será que bateu em Júpiter? A rejeição ao Serra?

10 de setembro de 2012

Totalbiscuit e o vício em videogames

Hoje o Mailbox do Totalbiscuit foi muito bom.

A primeira resposta é exemplar, pra dizer o mínimo. O assunto é sobre vício em videogames.

31 de agosto de 2012

O jornalismo e as bruxas

O tema do post abaixo rendeu um artigo para o Observatório da Imprensa. Você pode acessá-lo ou lê-lo na íntegra aqui mesmo, logo abaixo.

_____________________________________________________________________________



O jornalismo e as bruxas

Por Danilo Albergaria em 28/08/2012 na edição 709

O site de cobertura jornalística de automobilismo da agência de notícias Warm Up, Grande Prêmio, atualmente vinculado à página brasileira do MSN, é o melhor do Brasil quando o assunto é corrida a motor. Em março de 2010, a Warm Up estreou uma revista homônima sobre automobilismo, veiculada online. A publicação é umbilicalmente ligada ao Grande Prêmio, que a promove com chamadas para suas reportagens.


De propriedade do experiente jornalista Flávio Gomes, desde seu surgimento em meados dos anos 1990 a agência tem primado por oferecer um jornalismo de qualidade, sério, competente no tratamento da informação, sem apelar para o ufanismo nacionalista tão comum no jornalismo esportivo, nem fazer uso de sensacionalismo barato. É de se estranhar, pois, que a revista Warm Up tenha veiculado em sua última edição uma reportagem inexplicavelmente apelativa e sensacionalista, jogando pela janela uma das funções sociais primordiais do jornalismo: oferecer informação de qualidade aos leitores. O leitor poderá ver por si mesmo a chamada do site – cuja manchete é “Brasileira é chamada para impedir chuva na Fórmula 1” – e a própria reportagem, “Dançando contra chuva”, assinada por Fagner Morais, que começa na página 28 da edição de número 28 da revista online.
A fonte manda
O texto fala sobre as alegadas participações da famigerada Fundação Cacique Cobra Coral (FCCC) em eventos de grande porte, boa parte deles esportivos. Sabe-se lá se contratada oficialmente ou não pelos organizadores ou por sabe-se lá quem (a reportagem não informa), a médium Adelaide Scritori, presidente da FCCC, afirma incorporar um espírito poderoso para alterar o clima e evitar ou redirecionar chuvas em benefício de eventos como concertos de rock e corridas de automóveis. Não qualquer concerto ou qualquer corrida, diga-se, mas apenas os que envolvem uma grande quantidade de dinheiro ou atenção midiática.
A reportagem até tenta mostrar bom humor, mas descamba para o mau jornalismo. O texto é no mínimo descuidado com as afirmações que faz. Exemplo: o leitor é informado que pode até não conhecer a médium, mas que “com certeza, já viu de longe ou esteve presente em algum evento em que ela ajudou a ter sucesso” (grifo meu). Também afirma que Adelaide ganhou “inúmeros admiradores famosos, como os ex-primeiros-ministros Margaret Thatcher e Tony Blair”. Segundo a Warm Up, Blair e Thatcher “recorreram ao trabalho da médium e viram sucesso” (grifo meu). Em legenda, consta: “Além dos eventos esportivos, a FCCC também colaborou para a edição sem chuva do Rock in Rio Lisboa” (grifo meu). É a revista quem diz, nada até agora em aspas, saindo da boca da própria Adelaide ou de seu assessor.
A partir daí é o livre desfile do pior nonsense esotérico nas generosas aspas concedidas à autoproclamada médium. Além disso, a citação das declarações de Adelaide não é feita de maneira cuidadosa, sem o correto distanciamento do que diz a reportagem com o que diz a fonte. A certa altura, por exemplo, a Warm Up lembra que a chuva, esperada pelas previsões do tempo das equipes no Grande Prêmio de Mônaco de Fórmula 1 de 2012, só caiu com força após o final da prova. Antes de conceder a palavra a Adelaide, a matéria anuncia: “Adelaide explicacomo fez para impedir isso” (grifo meu).
O que é isso senão um exemplo de jornalismo irresponsável? A Warm Up passa muito longe de questionar as alegações absurdas de uma única fonte, a própria FCCC, obviamente interessada em propagar de si mesma uma imagem de sucesso. É claro que as alegações sobrenaturais da FCCC são nada mais que besteirol. Mas o que se questiona, aqui, não é apenas se é sadio acreditar e promover uma patacoada dessas – não é, e isso está fora de discussão.
Do ponto de vista jornalístico, o que compromete a reportagem é a sua completa dependência por uma única fonte, a FCCC. Tudo o que se diz no texto – as alegações de fama internacional, de relações com governantes estrangeiros, de trabalho em grandes eventos esportivos, da F-1 às Olimpíadas – tudo vem da boca da médium ou de seu assessor. Quem não verifica as alegações da fonte acaba sendo cavalgado pela própria fonte. A única exceção é o parágrafo em que é citada uma reportagem de 2007 da revista IstoÉ sobre a FCCC. Desesperadamente marcada pela credulidade, pelo mau jornalismo, pelo único e exclusivo embasamento em evidências anedóticas, a matéria da IstoÉ tem suas alegações fantásticas citadas pela Warm Up, novamente sem questionamento.
Seres fantásticos...
Seria possível resolver esse problema afirmando que a reportagem não é séria ou que não se deve levá-la a sério? É o que sugeriu Flávio Gomes, proprietário da agência, por e-mail: “A reportagem é apenas uma curiosidade. Não passa disso. Não merece tantas restrições”. Em contato pelo e-mail oficial da revista, procurei questionar o repórter e o editor-chefe, Victor Martins. Apenas este último respondeu, e de maneira bastante confusa. Ao mesmo tempo em que faz coro a Gomes, afirmando que “você [eu] levou a sério demais uma reportagem que não dá em nenhum momento poderes divinos à personagem”, Martins pareceu levar suficientemente a sério os absurdos mágicos veiculados pela reportagem, afirmando que “uma série de pessoas gostou bastante [da reportagem] – jornalistas como nós. Porque justamente envolve questões espirituais. Você parte provavelmente do princípio que é balela; eu, de um ponto de vista pessoal, não”.
Seria fácil concordar com Gomes, e estas críticas que escrevo sequer existiriam, se a revistaWarm Up não houvesse levado tão a sério as alegações fantásticas da FCCC. Textualmente, está lá, escrito para todos lerem, que a manipulação mágica da natureza por uma médium deu certo, teve sucesso, e mais de uma vez. Não é uma simples brincadeira dúbia com uma entidade notoriamente envolvida na exploração da credulidade alheia para amealhar vantagens pessoais para os seus dirigentes. Não é apenas uma peça bem-humorada acerca de detalhes pitorescos do mundo empresarial por trás de grandes eventos, ávido pelo lucro a ponto de apostar na magia, no sobrenatural – mediante serviços bem pagos a “especialistas” da área como a FCCC. É uma peça de desinformação, simplesmente.
É trágico que o jornalismo se preste a esse triste papel. Pois não é nenhuma brincadeira para a vida pública que políticos e governantes como César Maia e Eduardo Paes apostem na magia e no sobrenatural. Maia estabeleceu, e Paes renovou em 2010, um convênio do município do Rio de Janeiro com a FCCC. Estamos tratando de uma organização que espalha alegações absurdas para conseguir dinheiro fácil, em convênio com a máquina pública.
O mote da reportagem da Warm Up é o velho “não creio em bruxas, mas que elas existem, existem”. E existem, mesmo. Enquanto o jornalismo se prestar à desinformação, as bruxas e toda sorte de seres fantásticos continuarão existindo muito bem, aproveitando o que há do bom e do melhor nesse mundo, com o dinheiro da credulidade alheia.

20 de agosto de 2012

Credibilidade é tudo

O site de cobertura jornalística de automobilismo Grande Prêmio, atualmente vinculado à página brasileira do MSN, é disparado o melhor do Brasil. Seu dono é o experiente Flávio Gomes, jornalista que cobriu a Fórmula 1 in loco por um longo período. Gomes é um escritor de mão cheia e tem um estilo só dele. Suas colunas e seu blog brilham muito acima do restante dos jornalistas e veículos da área esportiva.

Há uns dois ou três anos, a agência de notícias de Gomes, a Warm Up, estreou uma revista homônima sobre automobilismo, veiculada online (deve estar sendo impressa a essa altura, não sei). A revista é umbilicalmente ligada ao Grande Prêmio, que a promove com chamadas para suas reportagens.

É de se estranhar, pois, que uma publicação com esse pedigree tenha veiculado uma reportagem ridícula, surrealmente ridícula. Vejam por vocês mesmos a chamada do site e a própria reportagem assinada por Fagner Morais, que começa na página 28 da revista online.

Quando li a manchete, "Brasileira é chamada para impedir chuva na Fórmula 1" pensei que se tratava de uma incursão inofensiva e bem-humorada nas bizarrices do mundinho corporativo da Fórmula 1, cuja ética reinante parece ser a do vale tudo. Mas eu estava enganado. A reportagem até tenta ser bem-humorada, começando e terminando com o velho "não acredito em bruxas, mas que existem, existem". Fora isso, é puro jornalismo de quinta categoria.

O texto é sobre a famigerada Fundação Cacique Cobra Coral, cuja responsável alega alterar o clima e evitar chuvas por meio de mediunidade para beneficiar grandes eventos - a maioria deles, esportivos - entre outras alegações fantásticas. O texto é descuidado e irresponsável, tratando como fatos coisas altamente duvidosas - por exemplo, diz, na introdução, que a tal da médium "ajudou [um evento] a ter sucesso".

Não sou tonto. Qualquer pessoa minimamente sã sabe que uma coisa dessas é puro besteirol. Victor Martins (editor da revista) e Flávio Gomes também, suponho, sabem de quê se trata uma palhaçada dessas. Ou não sabem? Como editor e proprietário, deveriam saber. Mas o que se questionará, aqui, não é se é sadio acreditar e promover uma patacoada dessas - não é, e isso está fora de discussão.

O que verdadeiramente compromete a reportagem é a completa dependência por uma única fonte, a tal da Fundação, principalmente a médium. Tudo o que se diz no texto - as alegações de fama internacional, de relações com chefes de estado, de trabalho em grandes eventos esportivos, da F1 às Olimpíadas - absolutamente tudo vem da boca da médium ou de seu assessor. Em nenhum momento, nenhum, há qualquer menção do repórter sobre ter procurado verificar as informações. Quem não verifica a informação da fonte acaba sendo cavalgado pela própria fonte.

O que me faz levantar algumas perguntas ao repórter e ao editor da revista. Em algum momento vocês tentaram contactar as entidades mencionadas pela Fundação Cacique Cobra Coral e verificar se houve realmente as prestações de serviço mencionadas? Quem contratou a médium para evitar a chuva em Mônaco nesse ano? Procuraram a FIFA, a FOM, o COI? Se não, shame on you. Daria vergonha perguntar a essas organizações sobre se já contaram com os serviços de poderes espirituais contra as chuvas, não é? E se as procuraram, por que não mencionam no texto o resultado desse levantamento?

Mais: em algum momento vocês procuraram verificar a informação de relação da médium com Margaret Thatcher e Tony Blair? Ou melhor: antes de mais nada, pararam para pensar em verossimilhança em algum momento? Pois não haveria nada melhor para os tablóides explorarem do que o chefe de governo inglês diretamente envolvido com uma organização de serviços mediúnicos. Aliás, não pararam para perguntar quais foram os casos de sucesso, que a reportagem afirma existirem, que beneficiaram Blair e Thatcher? No caso da alegação sobre a Iron Lady, uma mínima pesquisa no Google traria um resultado como este.

Não. Não conta no esforço de verificação a referência a uma outra reportagem jornalística, ela mesma desesperadamente marcada pela credulidade, pelo mau jornalismo, pelo único e exclusivo embasamento em evidências anedóticas.

Eu sei. É possível resolver tudo isso dizendo que a reportagem não é séria. Mas por que ela está numa revista sobre automobilismo que se pretende séria? Devo ou não devo levar em consideração o que está nas páginas da Warm Up? Se devo, por que dar lugar a uma pecinha escrota como essa reportagem? Por que dar espaço à picaretagem?

Shame on you, Warm Up. Shame on you.

14 de agosto de 2012

The Shortest Straw

Às vezes é muito bom voltar pra casa.



Daquela tour em que o James não podia tocar, com o braço queimado.

12 de agosto de 2012

O México, esse país incivilizado


 O estarrecedor é que o video tem sido massacrado nos comentários do Youtube por stupid white men.


6 de agosto de 2012

Steam-Linux e a Microsoft

Por que a Valve decidiu apostar no Linux como plataforma para o Steam?

Totalbiscuit explora a questão.

10 de julho de 2012

18 de junho de 2012

Beethoven no churrasco

Então eu fui trocar o som do churrasco e pensei em colocar alguma sonata de piano do Beethoven, ou a nona, ou a quinta sinfonia, não me lembro direito. Sei que a tentativa foi prontamente rechaçada com um “a gente já sabe que você é [quer se passar por] intelectual”, ou coisa do gênero. E passamos a ouvir adaptações de pop/rock para pagode.

“É música de churrasco”, me disseram. Assim como Chiclete com Banana, natural substituto do Radiohead que eu tinha conseguido infiltrar num momento de desatenção da maioria.

Nada contra. Cada um é cada um, não é esse o sábio dito popular?

Vocês, meus caros 17 milhões de leitores, poderão me censurar pelas escolhas excêntricas para trilha sonora de churrasco. Me chamem de chato, pedante. Foda-se. Eu não caio nessa história de adaptar a música para a ocasião, ou melhor, para servir de cenário. Música é pra ouvir. Não há nada mais deprimente do que música de churrasco, música de casamento, música de balada. É tudo música de elevador.

Não acho que pra ouvir Beethoven seja preciso vestir um smoking e botar um ar aristocrático na cara. Aliás, isso é o que não deveria acontecer. Sua música é prazer, embriaguez, loucura, pateticidade, felicidade, e é tenebroso que se vincule um inconformista como Beethoven ao pedantismo.

Quer saber? Todo mundo quer picanha na churrasqueira. Mas se você passou a vida inteira comendo acém, talvez rotule quem defenda a picanha como pedante. Azar o seu.

14 de junho de 2012

To be human

Acabei de assistir. Muito bom.

1 de junho de 2012

Paul Lewis toca Beethoven

 

Beethoven - Piano Sonatas - Paul Lewis

 

Nos links abaixo você encontrará em MP3 TODAS as sonatas para piano, de Ludwig van Beethoven, interpretadas por Paul Lewis.

Este blog já havia publicado a edição integral das sonatas tocadas por Stephen Kovacevich. A diferença da atual postagem para aquela é que os arquivos de áudio estão separados por faixa, movimento por movimento. De modo que fica mais fácil, por exemplo, ouvir aquela terceira parte da Tempest, ou o curto mas espetacular segundo movimento da Hammerklavier – embora o legal mesmo é, claro, ouvir a sonata de cabo a rabo.

Este que vos escreve faz questão de reiterar que não procura, com essa publicação, prejudicar o artista ou a gravadora. O preço de uma coleção dessas, importada, é tão proibitivo para o bolso do brasileiro médio que seria impossível, não fosse a internet, ter contato com produções artísticas desse porte. A beleza salvará o mundo e não deverá cobrar entrada. No entanto, se você tiver dinheiro suficiente e gostar da obra, sugiro que a compre em sites como a Amazon. Quem pode, deve prestigiar o artista.

Caso prefira, os arquivos originais, em FLAC, estão neste torrent. Por favor, reportem qualquer problema nos arquivos MP3 aqui disponibilizados.

CD1 – Sonatas no. 16, 17 e 18

CD2 – Sonatas no. 8, 11 e 28

CD3 – Sonatas no. 9, 10, 21 e 24

CD4 – Sonatas no. 25, 27 e 29

CD5 – Sonatas no. 1, 2 e 3

CD6 – Sonatas no. 4, 22 e 23

CD7 – Sonatas no. 12, 13, e 14

CD8 – Sonatas no. 5, 6 e 7

CD9 – Sonatas no. 15, 19, 20 e 26

CD10 – Sonatas no. 30, 31 e 32

16 de maio de 2012

A shout from the rooftops

É um tremendo encorajamento para os movimentos de direitos humanos nos Estados Unidos: a faculdade de direito de Columbia publicou um estudo detalhado sobre a execução de um inocente no Texas.

A matéria do Guardian, que conta o caso de Carlos DeLuna, é dolorosa. Confundido com o real assassino (cuja existência as autoridades judiciais descartaram como ficção do acusado), DeLuna foi condenado à morte por um assassinato que não cometeu. Até o último momento afirmou sua inocência. Foi executado por injeção letal em 8 de dezembro de 1989. O assassino, um outro Carlos, Hernandez, extremamente parecido com DeLuna, não respondeu ao crime.

sdeluna-raw

Via boingboing.

10 de maio de 2012

Nikolai Kapustin é o cara

Sonzeira soviética!

Tô viciado nessa aí embaixo:



E essa, recém-descoberta:

27 de abril de 2012

Que pena…

“When Barcelona reached the 1986 European Cup final, a 15-year-old ballboy raced on to the pitch and pleaded with Victor Muñoz, scorer of the decisive penalty against Gothenburg in the shootout, for his shirt. The ballboy was Guardiola. During one match against Madrid he ran up to the referee and told him he was playing with the emotions of an entire nation, and he was not talking about Spain. When Andrés Iniesta was a kid, there were two posters on his wall at La Masía: one was of Catherine Zeta Jones, the other was Pep Guardiola. Cesc Fábregas still treasures the signed Guardiola shirt he was given as a youth-team player at the club.”

Guardiola saiu. Guardem os VTs.

19 de abril de 2012

Gangsta rapping on hell´s door

Aperta o cerco sobre Rupert Murdoch: http://www.independent.co.uk/news/uk/crime/hacking-scandal-the-net-tightens-on-the-murdochs-7661722.html

Para onde vão os enormes e desproporcionais gastos militares da Grécia?

 

“The imbalance has spawned speculation that peripheral countries in Europe with vulnerable frontiers likesuch [sic] as Greece are being exploited in terms of defence spending by wealthier states at Europe's core.”

Aqui, ó: http://www.guardian.co.uk/world/2012/apr/19/greece-military-spending-debt-crisis

Aos vencedores, conjecturas extravagantes sobre méritos inexistentes


Fortune favors the bold. Not!
Borat

Entre as muitas coisas que me incomodam no palavrório da imprensa esportiva nas análises pós-jogo é como a (legítima) busca por conjecturar os motivos de um placar de futebol está se tornando uma (preguiçosa e ilegítima) obrigação de conceder ao vencedor mais mérito do que teve.

É notório que o futebol não é um esporte em que o placar final sempre traduz a medição de força entre dois times. Nem sempre o melhor vence. Isso basta, sem precisar repetir o truismo de que futebol é bola na rede, para que observemos como a ânsia por identificar mais mérito do que existe em todo vencedor está levando a imprensa esportiva a procurar explicações bizarras para placares “injustos” ou “ilógicos”.

O que aconteceu ontem em Stamford Bridge e a cobertura do Guardian ilustram o meu argumento.

Admiro muito o setor esportivo do Guardian. Os textos são saborosos, as análises são geralmente sóbrias, sem patriotismo ou outras paixões que acometem a imprensa esportiva espanhola. Mas dois textos de análise pós-jogo sofrem desse mal de que estou falando: o primeiro elogia coisas como o trabalho disciplinado do time todo do Chelsea no setor defensivo, o segundo fala em “soberba disciplina” dos blues.

Como quem acompanha futebol sabe, o Barcelona dominou amplamente o Chelsea em plena casa do adversário. Dominar não é apenas uma definição de “ter mais posse de bola”, mas também criar mais chances de gol, impedir que o adversário tenha a bola e jogue, pressionar o outro time em seu campo de defesa. O Barcelona fez isso o jogo todo e saiu derrotado por 1 a 0, fruto da única chance de gol que o Chelsea teve. Se alguma análise racional do jogo é possível, a única coisa que se pode falar com segurança é que o resultado se deve ao faro de gol de Drogba e à incompetência das finalizações do Barcelona. E só. Mas a análise tática de David Pleat, por exemplo, propõe que o mérito seja todo do sistema de Di Matteo, “compacto, disciplinado e comprimindo o espaço defensivo, quase parando o ônibus [na frente do gol]”.

Pleat alega que a troca de passes do Barcelona não conseguiu penetrar a defesa do Chelsea. Como não? Foram muitas chances claras de gol, duas delas com Alexis recebendo passes por cima da defesa do Chelsea. A primeira bateu na trave, a segunda foi pra fora. Fábregas também teve uma com bola em profundidade, venceu Cech, mas o zagueiro salvou em cima da linha. E assim por diante. Isso não é penetrar a defesa do outro time? Mesmo confrontado com um busão parado na entrada da área, o Barcelona furou, sim, a defesa adversária. Mas não balançou as redes. O Barcelona perdeu e também não existe tal coisa chamada vitória moral. O Chelsea ficou com o 1 a 0 e é isso o que importa no futebol. O Chelsea venceu e está perto da final. Essa é a melhor, a única verdadeira, recompensa dos vencedores. Não precisam de mais nada, de nenhum elogio.

O que precisa ser dito é que o Chelsea e todo time inferiorizado dentro de campo mas superior no placar final não precisam que méritos falsos lhes sejam atribuídos ad hoc. Vitórias e derrotas acontecem e, muitas vezes, nem uma e nem outra são realmente merecidas. Assim é o futebol e, com o perdão da reflexão de boteco, assim é a vida.

Parte do problema é a tentativa de arrumar explicações complexas para coisas simples. Quando o assunto é futebol em sua manifestação mais extraordinária e caótica (caso do jogo de ontem), talvez seja melhor ficar com tautologias e irracionalidades em vez de rabiscar e rebuscar a prancheta em busca de um modelo explicativo. Proponho, portanto, duas “explicações” para o que aconteceu ontem.

A primeira é: o Chelsea venceu porque fez um gol e o Barcelona não fez nenhum.

A segunda: é tamanha a quantidade de pequenos detalhes e a sua combinação definindo a ausência de gol do Barça que algo do tipo vai demorar pra acontecer de novo. Ao contrário do provérbio latino, a sorte sorriu para os fracos.

18 de abril de 2012

Afegã Muçulmana Xiita

Segundo o Uol, a menina da foto que ganhou o Pulitzer chama-se Afghan Shia Muslim. Não estou brincando: clique aqui e vá até a legenda da foto. Ou clique aqui para ver um print screen.

É o mesmo que legendar uma imagem de uma menina brasileira dizendo que ela se chama Brasileira Cristã Evangélica.

O nome da menina é Tarana Akbari. Veja na legenda da foto aqui. Na certa o retardado viu uma legenda como essa e achou que as primeiras três palavras fossem o nome da menina.

Não foi só um lapso. É claramente sintoma de despreparo intelectual para a profissão.

5 de abril de 2012

A nona em 10 mil vozes

Para lembrar das vítimas do tsunami do ano passado, os japoneses armaram um coral de 10 mil pessoas e tocaram a nona de Beethoven (não sei se inteira… aí embaixo está apenas o último movimento).

É de arrepiar e chorar. Intencionalmente universal, ouvir a nona suscita o que tem de mais próximo da experiência religiosa para quem não é religioso. Adoro o que Beethoven representa, o que essa sinfonia representa, e adorei o que representaram 10 mil japoneses lembrando uma tragédia colossal da maneira mais catártica possível.

Foi uma experiência religiosa sem apelo ao sobrenatural, como dizem.

Lars von Trier estava errado. Quando o mundo acabar, quero ver a Terra derreter ao som da nona.

26 de março de 2012

Citizen Murdoch

Deu no Guardian e no Independent: há indícios (e, parece, evidências processuais) de que a News Corp teria financiado hackers para derrubar o serviço de TV a cabo inglês ONdigital, então concorrente da BSkyB, por meio de pirataria do código do cartão usado no decoder. A pirataria ajudou na derrocada da ONdigital.

Não bastasse o escândalo dos grampos que fechou o News of the World, agora essa.

O Departamento de Justiça americano está atento às investigações. Obama está doidinho pra pegar a Fox News pela goela, no que faria muito bem.

Aliás, tanta perseguição aos “piratas” da internet e quem é que aparece por trás da pirataria? O gangster Rupert Murdoch.

Canalha.

3 de março de 2012

Equinox, por Janice Borla

Um arranjo bacana pra Equinox, do John Coltrane.

Que voz!



E a original, difícil de enjoar:




29 de fevereiro de 2012

Vai Manning!

Bradley Manning foi indicado ao Nobel da Paz.

Entre os concorrentes, Bill Gates, Bill Clinton e Helmut Kohl. Arrarrarrá.

27 de fevereiro de 2012

Santorum contra o estado laico

“A ideia de que a igreja não pode ter influência ou envolvimento na operação do estado é absolutamente antitética aos objetivos e à visão deste país”.

A frase é do cara que mais incomodou Mitt Romney nas primárias republicanas até agora e está aqui. Não é nada remoto que uma figurinha dessas seja o oponente de Obama em novembro.

23 de fevereiro de 2012

22 de fevereiro de 2012

Super Pacs

O Guardian postou faz pouco tempo um pequeno vídeo explicando as mudanças nas regras eleitorais americanas que escancaram ainda mais o processo democrático à influência e controle do grande capital.

É tão direto e reto que resolvi legendar e postar no Youtube. Está aí embaixo. Se não der para ativar a legenda (o CC) por aqui, vá para o vídeo no próprio Youtube.

Como escrevi na descrição por lá, aos poucos, a democracia norte-americana vai se tornando uma piada. Nesse cenário, figuras extraordinárias como Stephen Colbert e Jon Stewart nadam de braçada.

20 de fevereiro de 2012

Quem quer ser lembrado?

 

Zappa sobre as escolas

Quando eu era aluno, eu odiava a escola.

Agora sou professor. E continuo odiando a escola.

17 de janeiro de 2012

A very general message

Alain de Botton é o entrevistado da vez no Philosophy Bites. Ele fala sobre como o ateísmo pode e deve se beneficiar de certos aspectos das religiões. O trecho abaixo é excepcional e reflete muito do que penso ser um dos papéis da ciência no mundo, hoje. A transcrição é minha e pode conter erros.

I think that science often don´t frame itself to bring out its therapeutic aspects. I´m getting more interested in the idea that science has an aesthetic value. You don´t need much knowledge of scientific puzzles to derive from science quite a lot of the aesthetic or psychological benefit that´s there. I take my children to the science museum quite often. When we get to science museum we´re not really interested in exactly when the dinosaurs died out, or exactly which bird evolved or whatever. What we take away is a very general message, something like “gosh, human beings are very small in a vast universe that´s been around a hell of a long time”. It´s almost like the only way that we can allow ourselves to be interested in natural phenomena is as scientists rather than allowing ourselves to derive the didactic message that is implicit in science but that scientists are a little bit bored to talk about, they think that this is too close to religion.

12 de janeiro de 2012

Uma resolução de ano novo, por Charlie Brooker

"Parar de fingir que cupcakes são uma delícia".

Vai Charlie!

Of all the irritating "Keep Calm" bastardisations, the most irritating of all is the one that reads "Keep Calm and Eat a Cupcake". Cupcakes used to be known as fairy cakes, until something happened a few years ago. I don't know what the thing was, because I wasn't paying attention. All I know is that suddenly middle-class tosspoles everywhere were holding artisan cupcakes aloft and looking at them and pointing and making cooing sounds and going on and bloody on about how much they loved them. I wouldn't mind, but cupcakes are bullshit. And everyone knows it. A cupcake is just a muffin with clown puke topping. And once you've got through the clown puke there's nothing but a fistful of quotidian sponge nestling in a depressing, soggy "cup" that feels like a pair of paper knickers a fat man has been sitting in throughout a long, hot coach journey between two disappointing market towns. Actual slices of cake are infinitely superior, as are moist chocolate brownies, warm chocolate-chip cookies and virtually any other dessert you can think of. Cupcakes are for people who can't handle reality.

De onde você vem?