1 de agosto de 2014

Gaza

A qualquer momento
O crânio aberto
O rosto desfigurado
O intestino na calçada
A qualquer momento
O tórax espatifado
A metade carbonizada
No carro carbonizado
Dentes brancos
A qualquer hora
A cabeça decepada
A perna retorcida
O joelho pra um lado
O pé para o outro
A qualquer momento
A mão intacta
Que fazia e criava
Morta
Num minuto qualquer
Uma mão
Só a mão
No pé da escada
No canto do quarto
No meio da rua
No capô do carro
No meio da rua
Sangue
Jorrado
Espirrado
Vermelho
De criança
Na parede
No teto
No poste
No meio da rua
A qualquer hora
Por todos os lados

23 de junho de 2014

Searching for Sugar Man

Acabei de ver o documentário Searching for Sugar Man. O filme retrata brilhantemente, quase como um thriller investigativo, uma das histórias mais sensacionais da música contemporânea: a de Sixto Rodriguez, uma espécie de Dylan mexicano que gravou dois discos no início dos anos 70 em Detroit. Destinados à mais completa obscuridade nos EUA, os discos fizeram um sucesso enorme na África do Sul (e só lá), na mesma época.

Mais tarde, alguns sulafricanos se surpreenderiam ao saber que o artista é um desconhecido na América. Dois deles tentaram, nos anos 90, saber mais sobre Rodriguez. Eles não tinham mais nenhuma informação sobre o músico além de um nome, uma foto na capa, e histórias desencontradas sobre sua morte.

Qualquer coisa que eu diga além disso será, fatalmente, um baita spoiler. A única coisa que posso dizer é: assistam. Tem o potencial de mudar a visão atual sobre o que é a arte e quem é o artista.

Vim a saber agora que o filme ganhou o Oscar de melhor documentário em 2012. O reconhecimento devido a uma grande obra me alegrou, só para logo em seguida eu me deparar com a informação de que seu jovem diretor, Malik Bendjelloul, se matou em maio passado, com 36 anos.

Malik e Sixto, muito obrigado por embelezarem o mundo com grande arte.

22 de agosto de 2013

Tábula rasa

Li o artigo polêmico do Helio Schwartsman, "Demografia do Nobel" (FSP, 10/08). Em nenhum momento o colunista disse que judeus são mais inteligentes que muçulmanos. Ele afirma que há um fenômeno a ser estudado (a disparidade no número de laureados) e menciona uma hipótese genética. É uma provocação, obviamente.

A obtusidade está no fato de que ele nem sequer menciona a possibilidade de que a disparidade seja suficientemente explicada por via histórica, sócio-cultural e econômica. Há motivos suficientes para pensar que essa abordagem explica satisfatoriamente a disparidade em questão. Minha opinião é que a genética provavelmente seria uma resposta incorreta para uma pergunta legítima, o que não quer dizer que haja algo de errado em levantar uma hipótese genética para qualquer fenômeno humano, inclusive este. Mas por que apenas a hipótese genética foi aventada por Schwartsman?

Isso tem a ver com a intenção do texto em alvejar a ideia de "tábula rasa", que nós, das humanidades, tanto compramos sem perceber. É uma referência a um livro de Steven Pinker, que denuncia as pré-suposições envolvidas na recusa do nosso aspecto natural, animal, orgânico. Estamos plasmados na natureza. Nossa existência é o resultado de milhões de anos de pulsação da vida no planeta, e nossa breve pulsação é parte minúscula desse mundo que não depende de nós para existir. Negar que a natureza tenha algo a ver com a mente humana é se render sem querer a uma concepção do espírito humano como algo desconectado do mundo natural, algo independente do organismo. Você pode até defender esse tipo de coisa mas dificilmente encontrará evidências para sustentar suas ideias, hoje (posso estar errado, claro, e o futuro poderá revelar meu engano). A genética e as neurociências, pelo contrário, atualmente as têm às pencas. É preciso ter isso claro em mente antes de acusar qualquer pessoa de cientificismo.

Não somos determinados pela natureza porque desenvolvemos um mundo simbólico que não obedece às mesmas regras do mundo natural. Mesmo assim, é muito cedo para descartarmos qualquer explicação naturalista. O melhor a fazer no atual estado do conhecimento é reconhecer a complexidade das explicações para fenômenos humanos sem fazer tábula rasa e sem partir para o determinismo biológico. Tanto os entusiastas das explicações genéticas quanto os que fazem tábula rasa da natureza humana deveriam levar isso em consideração antes de arrotar suas últimas suposições acerca da diversidade humana.

Quando você aceita que toda a variedade entre seres humanos se explica apenas por meios de hipóteses não-naturais, você está admitindo como verdade uma suposição sem justificativa. É isso o que o Schwartsman poderia ter dito em vez de apenas sugerir uma causa genética como possível explicação, embora eu entenda que ele queria provocar os mais sensíveis defensores da tábula rasa - o que é sempre bom.

20 de junho de 2013

O Galvão narrará a revolução

Chegamos atrasados, eu e a Vanessa, à manifestação em Campinas. Eram mais de cinco e meia. Subimos a Glicério e decidimos cortar caminho por dentro até a Conceição, subindo para o Centro de Convivência, onde estavam meu pai e meus irmãos. Entramos na passeata. Nossos cartazes eram os únicos que lembravam as causas do Movimento Passe Livre. O restante parecia que rumava em direção a um jogo do Brasil na Copa do Mundo.

Ironicamente, havia muitos cartazes contra a Copa. Bandeiras brasileiras tremulavam e envolviam os corpos dos manifestantes. Corpos brancos, bem nutridos. Olhei ao redor e não vi nenhum negro, ou pardo. Cantavam que eram brasileiros, com muito orgulho, com muito amor. Diziam que o gigante havia acordado. Muitos, muitos mesmo, foram os gritos e cartazes contra a corrupção. Fora Dilma, Fora Renan Calheiros. Contra os políticos corruptos, contra os políticos. Contra a PEC 37. Mais saúde, mais educação.


Eu já sabia que eu iria para não deixar que a onda fosse surfada, sozinha, pela torcida do Brasil-sil-sil, vulgo gigante desperto. Fui com uma camiseta vermelho-sangue. Eu queria ter levado uma bandeira vermelha, sem slogan, sem sigla, sem nada. Vermelho, só. Pra ver no que dava. Queria dizer: aqui está alguém de esquerda.


De uma forma ou de outra, levantei o cartaz com os dizeres “Tarifa Zero, porra!” de um lado, e Movimento Passe Livre, do outro. A Vanessa, com folhas sulfite rabiscadas com um “não à máfia do busão!”. Comecei a gritar que o transporte público deveria ser verdadeiramente público. Muitos olharam esquisito para mim. Quase ninguém fez coro. Pode ser porque não sei agitar, não sei rimar. Mas desconfio que seja por outros motivos.


Demos a volta no Centro de Convivência e descemos. Ali, continuava o nacionalismo, o ufanismo, o discurso genérico. Ou nem tão genérico, assim. Havia um cara com um cartaz pela redução da maioridade penal.


Meu pai diz que viu trabalhadores à frente da passeata, quando ela saiu. Vi só alguns “manos da periferia” (pessoas cujas vestimentas e aparência diferiam radicalmente do que eu via até então), e eles enfrentaram a polícia depois de jogar pedras nos vidros da prefeitura. Um cara veio pedir ajuda para mim e para meu irmão, “dois caras grandes”, segundo ele, “para pegar os manos que estão depredando patrimônio público”. Declinei, dizendo que, embora fosse contra a depredação do patrimônio público, eu não poderia sequer compreender o sentimento e o discurso (violento) daquelas pessoas. Muitos clamavam pela violência contra os violentos, correndo atrás dos “vândalos”. Quando o choque desceu, passou há um ou dois metros do meu lado. Não fez menção de atacar os brasileiros “de verdade”, as “pessoas de bem”, os patriotas. Desceram o sarrafo, e bombas, e gás, nos “manos” lá embaixo.


Com o corre-corre, voltamos ao Centro de Convivência. No caminho de volta, a mesma coisa. Só uma garota animada fez coro comigo, pedindo transporte público de verdade. Perdi a paciência e comecei a gritar que, se estavam tão acordados agora, porque não reivindicavam as causas justas do Movimento Passe Livre? Já que eram contra a corrupção, por que não gritavam contra a corrupção que sustenta o sistema perverso de transporte urbano em Campinas? Mais uma vez, alguns dos despertos manifestantes do bem me estranharam. Eles queriam mais educação, mais saúde, e fora com os políticos, corruptos.


Cortamos o caminho pela praça e rumamos para casa. No caminho, a fachada da Assembleia de Deus tinha um banner enorme onde lia-se “Movimento contra corrupção”. Também nos informava, o banner da organização isenta de impostos, que a Assembleia de Deus era a favor da paz. Não havia nenhuma pichação como “impostos para igrejas, já!” ou “igrejas corruptas”. Desejei ter levado um spray para vandalizar aquele disparate. Há poucos dias atrás, vi dois mendigos dormindo no frio, bem perto de onde hoje se via aquele banner, enquanto seguranças de terno mantinham o patrimônio daquela casa de Deus intacto. Havia culto no momento. Perto dali, no asfalto, lia-se “Justiça pra Perifa”. 


Há esperança, mas ela precisa se fazer ouvir nessas esquisitas regiões centrais de Campinas.

15 de abril de 2013

xkcd em modo silencioso

Na realidade, o xkcd errou. O programinha só reconheceria 4’33” do Cage se houvesse captado tosses e respirações.

18 de março de 2013

Entrevista bacana com dois cosmólogos

George Smoot e Saul Perlmutter (ambos laureados recentemente com o prêmio Nobel de física) discutem problemas famosos da cosmologia atual, como a energia escura, a aceleração da expansão do universo, seu início e seu possível fim.

Vale a pena assistir, especialmente quando ambos frisam algo que está no coração de uma concepção progressista de ciência: somos absurdamente ignorantes sobre o universo, mas tal constatação não deve nos intimidar ao ponto de considerarmos que a natureza ultrapassa nossa capacidade de compreensão.

15 de fevereiro de 2013

Playlist do meteoro russo

Compilei os melhores vídeos que apareceram, até agora, do meteoro na Rússia.

18 de janeiro de 2013

Que merda é essa?

Como é possível que as ruas não estejam, neste exato momento, cheias de gente com as mãos nos cabelos e de olhos arregalados, numa interminável oscilação entre o espanto contido e o descontrole histérico, entre o sussurro pensado e o discurso destrambelhado, indagando os transeuntes sobre que merda é essa?

Que merda é essa? Que merda é essa? A Terra está girando. A Terra está girando. A Terra tá girando! A gente vive num planeta. A gente vive. Num planeta. Que gira. E que é imenso. Imenso! A gente vive e morre num planeta. A gente brotou dele. A gente é uma formiguinha, uma ameba, perto dessa bola redonda, gigante, que quase não dá pra imaginar de tão grande. E a gente vive na casquinha dela, uma casquinha de ovo, toda rachada, de uma finura que não dá pra acreditar. E um terremoto arrebenta tudo se alguma coisinha sair do lugar e se mexer um pouquinho, nessa casca. E dentro da bolona é tão quente que uma montanha derrete, se desse pra uma montanha cair lá dentro, assim, de uma vez.

E a gente vive nisso! Numa porra dessas. Vive. Vive e morre. A gente se dissolve. A gente se dissolve! A gente é um tipo de coisa que se dissolve. E todas as coisas do nosso tipo se dissolvem – e já tiveram um monte, uma pancada de outras coisas meio diferentes que já não existem mais, mas que são do mesmo tipo nosso, desse tipo de coisa que se dissolve – todas as coisas do nosso tipo se dissolve, já se dissolveu e vai, puta merda, se dissolver. Mais cedo ou mais tarde. De uma forma ou de outra. A gente se dissolve e volta pra casca de ovo. E ninguém sabe até quando isso vai continuar, quando é que todo mundo vai se dissolver e umas coisas diferentes vão aparecer no nosso lugar. Porque parece que sempre foi assim. Essa é a regra da casca do ovo. Ela gera tudo, mas suga tudo de volta. Suga tudo. Até as sepulturas e os nomes, ela suga. É só esperar. Ela espera. Já durou uma eternidade, e vai durar outra. Praticamente pra sempre, quase. Pelo menos pra coisas como a gente, que praticamente aparecem e já somem, sugadas tão rapidinho, vai ser sempre difícil conseguir entender o que é o tempo da bola gigante.

Mas a bola gigante, o planeta, que gera e suga todo mundo de quem a gente já ouviu falar, e vai sugar todo mundo que a gente nem sequer vai conhecer, essa Terra não é nada. Nada. Em cima da nossa cabeça tem o céu, não tem? Mas o céu não é nada. A gente fala céu, como se fosse alguma coisa. Mas não tem nada em cima da nossa cabeça. Não tem teto. Aquilo ali não é um teto. Aquilo é nada. Nada.

Fora o nada tem algumas coisas. Tem a Lua, o Sol, as estrelas. São os astros, não é? É, o caralho! Astros... A gente fala astros e já pensa que é alguma coisa feita de coisa diferente do que a gente, aqui. Astros... Astro é coisa do céu, e aquelas coisas não estão lá no céu, porque o céu não existe! O céu é nada, o céu não é uma tenda de circo em que um monte de luzinha fica passando pra lá e pra cá. Não é que o Sol e a Lua e as estrelas tão tudo no céu. A gente faz parte do céu, junto com o Sol, a Lua e as estrelas! A gente, na casca da Terra, está no céu, girando nele, zanzando por ele, ao redor do Sol, indo com o Sol por aí. A gente, na casca da Terra, como a Terra toda, é feita da mesma coisa que tem nos astros. É por isso que o céu não existe, entenderam? O céu não existe!

A Lua é um outro mundo. Um outro mundo. Mundo em que dá pra ir pra lá e pra cá, que tem montanha também. Um mundo. Um tanto menor, que gira em torno da Terra. Como vocês podem dormir com isso? É um outro mundo lá, um mundo que você pode ver todo dia daqui, uma outra bola. E tem muitas outras, que ficam zanzando em torno do Sol como a Terra. Tem outras bolas, outros mundos, que também têm montanhas. Outros não têm montanhas. Outros têm mais ar do que qualquer outra coisa. Mas é tudo mundo, é tudo lugar em que daria pra andar, ou nadar, ou voar, se gente não fosse tão fraco e ajeitado só pra Terra. Tudo girando em torno do Sol, como o nosso mundo. A grande diferença é que a gente morreria mais rápido lá do que aqui, nesse pontinho, nesse quase nada.

Pontinho, sim. Vocês já viram a Terra do espaço? Ela é azul e tal, cheia de nuvens, redonda. É bonita. Mas vocês aí, que estão me olhando da sala de jantar, que lavam o carro, limpam a orelha, escovam o dente e passam fio dental, vocês não viram ela de longe. De muito longe. Quanto longe? Não sei. Longe pra caralho. Pra lá do último planeta, da última bola que gira em torno do Sol. Já viram? Quase não dá pra ver. É um nada. Um pontinho.

A gente vive num pontinho. A gente vive. Num pontinho. Visto de longe, é um pontinho. Mas o longe pra caralho que eu falei é até longe. Só que não é assim tão longe, longe de verdade, longe que não dá pra ver a Terra nem fodendo. Longe mesmo é o seguinte. Vou explicar, e acho que vai ser agora que vocês vão começar a querer a ficar tudo meio espantado, estarrecido e pasmo como eu sou. Porque de tudo o que eu já falei até agora, talvez tirando a Terra sendo um pontinho, tudo isso vocês aprendem na escola e acabam ficando tudo meio anestesiado. Ninguém carrega na alma e sente de verdade a maluquice de que a gente tá tudo grudado numa bola gigante, que na verdade é uma merdinha de nada, no nada. Ninguém leva isso tudo até o fundo de quem realmente é, porque se levasse estava todo mundo aqui na rua comigo agora, com o olho esbugalhado, quase sem cabelo.

O Sol, vocês sabem o que ele é. Todo mundo sabe. O Sol é uma estrela. Mas o que significa isso são outros quinhentos. O que são as estrelas? Todo mundo sabe a xaropada: é um astro que produz luz própria, enquanto o resto, os planetas, as luas, os cometas, e etcetera, só refletem a luz das estrelas, e tal. Isso é xaropada. Vamos parar de repetir isso, porque já deu. Pode até ser verdade, mas e daí? Não deixa ninguém doido. O que deixa doido, o salcifufu da história toda, é que as estrelas são sóis. O Sol é uma estrela e as estrelas são sóis. Ligue os pontos.

Quem liga os pontos não pode só ficar aí na sala de jantar, lavando o carro, limpando a orelha, escovando o dente e passando fio dental. As estrelas são sóis, cada uma delas que a gente vê no céu. Esse monte de estrela aí. Ligou os pontos? Pra gente ver eles assim, como pontos, é porque esses sóis tem que tá muito longe, longe pra caralho, longe pra caralho!

A maioria desses sóis, porque são do mesmo tipo de coisa do Sol, deve ter planetas, outros mundos, outras bolotas, zanzando ao redor deles. E é uma caralhada de sol. Se só no nosso bairrinho, no quarteirão cósmico em que a gente vive, tem uma caralhada de sol, com uma caralhada de mundo ao redor, imagina o resto. E tem uma caralhada de galáxias. Uma caralhada, isso até onde a gente consegue ver. E os sóis nascem e morrem, e os mundos também nascem e morrem.

Por isso, não me venham dizer que não tem uma caralhada de coisas do nosso tipo, tudo espalhado por aí que nem micróbio numa pia, coisas que, como nós, surgem e somem assim, do nada, rapidinho, num estalo, espalhadas por aí em outros mundos, em outras cascas de ovo, coisas que vêem e amam outros sóis, que também percebem que a folhinha em que vivem e morrem é só uma parte de uma floresta sem medida. Coisas capazes de levar essa loucura toda até o fundo de quem realmente são, coisas que aparecem e se dissolvem em infinitas cascas de ovo, que saem para a rua, com os olhos esbugalhados, quase sem cabelo, perguntando que merda é essa, que merda é essa, que merda é essa.

13 de janeiro de 2013

Má educação

Espetacular e chocante, a matéria de Al Baker no NYT de hoje coloca um enorme ponto de interrogação na cabeça de muita gente que, como eu, vê com bons olhos a implementação de programas de educação especial para crianças que manifestem especial talento ou dote intelectual.

Em resumo: o texto aponta para um enorme desequilíbrio racial, que privilegia brancos e asiáticos, nos programas de educação acelerada da prefeitura de Nova York. O desequilíbrio e o elitismo sempre existiram nesses programas, cujas origens residem num esforço por manter o envolvimento das famílias de classe média na rede pública e que data dos anos 1950; porém, tem havido um crescimento, aparentemente involuntário, da segregação racial por meio de testes que fetichizam a objetividade, desde 2008. As escolas que possuem os programas atendem principalmente a bairros de classe média e de brancos. Os depoimentos de pais de minorias raciais são estarrecedores.

É pra abalar a convicção de qualquer um. Serão realmente factíveis os programas do tipo? Será possível tê-los sem que se reforcem as clivagens sociais e raciais?

Se você se deparar com o paywall do NYT, pegue aqui a matéria inteira em PDF.

11 de janeiro de 2013

Videogame, arte

Antes de mais nada, se você se interessa por videogame, assista às primeiras impressões do excelente TotalBiscuit sobre este que parece ser um dos jogos mais legais do começo do ano: Thomas Was Alone.

thomas-was-alone_496

Está ficando cada vez mais interessante a mistura de videogame com criação artística original, cuidadosa, bem sacada. Nos últimos anos tivemos Bastion, Limbo e Dear Esther como expoentes de uma tendência em combinar tradicionais experiências de jogo com expressões artísticas apuradas que, salvo raras excessões, não costumam das as caras nesse tipo de mídia. O fato de que quase todas as inovações artísticas em games vêm sendo feitas por estúdios independentes é bastante eloquente sobre como funciona esse ramo da indústria de entretenimento.

Bastion impressiona pela combinação de um narrador onisciente, primorosamente interpretado, com uma trilha sonora de arrebentar e um visual cartoon psicodélico. A ação é bastante tradicional, com perspectiva isométrica. O que interessa e motiva a experiência de levar o heroi adiante é a narrativa em si, a história do heroi, e não a realização de objetivos meramente impostos ao jogador. Como não joguei Bastion até o final, não posso avaliar a narrativa e o sabor que ela deixa quando desligamos o jogo. Mas já ouvi opiniões de amigos, e Bastion parece ser realmente maravilhoso como um todo.

Bastion_E32011_0004

Limbo é o contrário de Bastion em muitos aspectos. Minimalista, é um side-scrolling em preto e branco quase sem música, sem qualquer narração ou voz. Pouquíssimos botões são usados para superar obstáculos simples e resolver puzzles complicados. O elemento central é a solidão em que o jogo mergulha o protagonista e, consequentemente, o jogador. A situação do heroi, um menininho, é enternecedora durante todo o jogo (ele morre de maneiras horríveis!) e seu destino, quando todos os obstáculos são superados, é absolutamente comovente. Não há redenção hollywoodiana.

screenshot05-800x450

Dear Esther, por sua vez, é o mais artisticamente ambicioso dos três – quem sabe, o de toda a história dos games. Pra começar, é bastante questionável caracterizar Dear Esther como um jogo. Em primeira pessoa, você vaga por uma ilha deserta e revivencia memórias esparsas, soberbamente interpretadas em voz, que dão pistas sobre a sua situação atual. A sua única ação é caminhar pela ilha. Você não pula, não corre, não coleta itens, não resolve puzzles, não atira, não mata. Você apenas experimenta o ambiente e as memórias. Você sofre alucinações e descobre lugares visualmente magníficos. Dear Esther não é um sandbox: tem começo, meio e fim – a linearidade da ação é suplantada pela aleatoriedade com que as lembranças são revividas. O desafio do jogo – e o desafio, talvez, seja um motivo para chamá-lo de jogo, embora sui generis – é interpretar a sua experiência, propositalmente polissêmica, confusa e inesquecível.

dearesther1

No caso de Thomas Was Alone, na criação de identidade em blocos geométricos os desenvolvedores apostaram numa narrativa bem feita – que me parece, como em Bastion e Dear Esther, excelente tanto do ponto de vista literário quanto da interpretação do ator de voz – e num visual minimalista, como em Limbo. Pelo que vi, devem ter conseguido.

É difícil prever o que isso tudo significa para o futuro da criação artística em videogame, ainda timidamente explorada, cujos frutos recentes apontam para um potencial estrondoso.

10 de janeiro de 2013

Notas sobre a passagem naturalista de Árvore da Vida

As imagens selecionadas do universo, muitas delas, são clichês, batidas, usadas à exaustão em vídeos de divulgação científica (como a cabeça de cavalo, a nebulosa planetária do olho do gato, a galáxia do sombrero). Isso denunciaria alguma falta de familiaridade de Malick com a astronomia? Ou apenas uma forma dele trazer esse universo para mais perto daquilo que é conhecido pelo grande público? Se sim a essa última pergunta, por quê? Não seria melhor mostrar o universo em toda a sua estranheza e não apenas em seu esplendor, propositalmente para causar ohs e ahs de pseudo-admiração - pois já desbotada: causam um "ai que lindo" saindo da boca e só.

Agora, o Sol e os planetas nascendo são uma coisa lindíssima...

A sequência escolhida para coisas como a origem da vida ou o asteróide de Chicxulub, tudo isso mostra a preocupação em emoldurar o filme com a visão científica. Mas por que a escolha de eventos tão clichês como a colisão do asteróide e os dinossauros? A extinção do limite K/T (65 milhões de anos atrás) não é mais ou menos importante do que qualquer outra das cinco conhecidas extinções em massa dos últimos 500 milhões de anos. Isso leva o filme a parecer mais uma aula de ciências (pelo didatismo e pela escolha de eventos célebres) e menos uma apresentação que emule ou recrie a estranheza da natureza ao homem, ao mesmo tempo que o vincula completamente a ela.

Agora, a sequência dos dois dinossauros é soberba...

7 de janeiro de 2013

Correlação, causalidade

Interessante correlação entre intoxicação de crianças em massa por tetraethyl lead e, 20 anos mais tarde, o pico de violência nos EUA das décadas de 70, 80, no Mother Jones.

Bom artigo de opinião do Monbiot sobre a matéria do Mother Jones.

A coincidência é impressionante, a consideração da hipótese é profícua, mas correlação não é causalidade. Com isso em mente, avalie esta sugestão de que a Primavera Árabe ocorreu por falta de sexo e acúmulo de testosterona nos homens.

29 de dezembro de 2012

Os privilegiados da China, de novo

Cory Doctorow, do Boing Boing, indicou um ótimo link pra ver como a oligarquia chinesa vem se locupletando nas últimas décadas.

21 de dezembro de 2012

Bernstein, Woodward, Murdoch

Carl Bernstein, aquele jornalista do Washington Post cuja cobertura do caso Watergate em dupla com Bob Woodward levou à renúncia de Nixon, publicou ontem na seção de opinião do jornal britânico The Guardian um artigo demolidor contra Rupert Murdoch, a Fox News e o jornalismo canalha e covarde que parece se alastrar como praga no mundo ocidental.

Até aí, nada demais: que jornalista sério não desce a lenha no Murdoch e na Fox? O que realmente torna o artigo um interessante capítulo na atual guerra jornalística é o motivo da diatribe de Bernstein: uma matéria bombástica de seu próprio ex-parceiro, inexplicavelmente enterrada numa seção anódina do jornal que outrora bancou uma aventura jornalística que derrubou um presidente da república, rendeu um prêmio Pulitzer e ficou marcada como exemplar na história do jornalismo.

Em resumo, o caso é o seguinte: Woodward teve acesso a uma gravação que documenta uma conversa entre uma emissária de Roger Ailes, presidente da Fox, e o general David Petraeus, que então surfava uma enorme onda de credibilidade e popularidade. O plano de Murdoch era usar a popularidade de Petraeus e tirar Obama da Casa Branca ao usar o enorme potencial propagandístico de seu império midiático para martelar a imagem de Petraeus no público americano e injetar uma gigantesca quantia de dinheiro na candidatura do “General Gmail”. Ou seja, o objetivo era, na prática, comprar a presidência.

Sorte que Petraeus não topou. Quis ser chefe da CIA. Disse que sua mulher se divorciaria dele caso se candidatasse à presidência. Ah, as ironias do destino.

Enfim. O Washington Post, na posse de um cano fumegante desses, o que fez? Escondeu a matéria no caderno Style (que, além de tudo, é brega). Não deram primeira página, não saiu no primeiro caderno, nas páginas de política. Saiu enterrada num caderno irrelevante de fofocas a evidência clara do uso abusivo de poder midiático que tornou Murdoch e suas empresas num arquétipo infelizmente copiado pelos Civitas do resto do mundo.

O resultado é que nenhum grande jornal americano ecoou a notícia. De maneira decepcionante, o Washington Post se acovardou, o próprio Woodward não fez muito barulho e o resto da mídia, medrosa, silenciou.

Obrigado, Bernstein, por chutar o pau da barraca e não poupar colegas.

Abaixo, o artigo inteiro.

____________

 

Why the US media ignored Murdoch's brazen bid to hijack the presidency

Did the Washington Post and others underplay the story through fear of the News Corp chairman, or simply tin-eared judgment?

Carl Bernstein

 

So now we have it: what appears to be hard, irrefutable evidence ofRupert Murdoch's ultimate and most audacious attempt – thwarted, thankfully, by circumstance – to hijack America's democratic institutions on a scale equal to his success in kidnapping and corrupting the essential democratic institutions of Great Britain through money, influence and wholesale abuse of the privileges of a free press.

In the American instance, Murdoch's goal seems to have been nothing less than using his media empire – notably Fox News – to stealthily recruit, bankroll and support the presidential candidacy of General David Petraeus in the 2012 election.

Thus in the spring of 2011 – less than 10 weeks before Murdoch's centrality to the hacking and politician-buying scandal enveloping his British newspapers was definitively revealed – Fox News' inventor and president, Roger Ailes, dispatched an emissary to Afghanistan to urge Petraeus to turn down President Obama's expected offer to become CIA director and, instead, run for the Republican nomination for president, with promises of being bankrolled by Murdoch. Ailes himself would resign as president of Fox News and run the campaign, according to the conversation between Petraeus and the emissary, K T McFarland, a Fox News on-air defense "analyst" and former spear carrier for national security principals in three Republican administrations.

All this was revealed in a tape recording of Petraeus's meeting with McFarland obtained by Bob Woodward, whose account of their discussion, accompanied online by audio of the tape, was published in the Washington Post – distressingly, in its style section, and not on page one, where it belonged – and, under the style logo, online on December 3.

Indeed, almost as dismaying as Ailes' and Murdoch's disdain for an independent and truly free and honest press, and as remarkable as the obsequious eagerness of their messenger to convey their extraordinary presidential draft and promise of on-air Fox support to Petraeus, has been the ho-hum response to the story by the American press and the country's political establishment, whether out of fear of Murdoch, Ailes and Fox – or, perhaps, lack of surprise at Murdoch's, Ailes' and Fox's contempt for decent journalistic values or a transparent electoral process.

The tone of the media's reaction was set from the beginning by the Post's own tin-eared treatment of this huge story: relegating it, like any other juicy tidbit of inside-the-beltway media gossip, to the section of the newspaper and its website that focuses on entertainment, gossip, cultural and personality-driven news, instead of the front page.

"Bob had a great scoop, a buzzy media story that made it perfect for Style. It didn't have the broader import that would justify A1," Liz Spayd, the Post's managing editor, told Politico when asked why the story appeared in the style section.

Buzzy media story? Lacking the "broader import" of a front-page story? One cannot imagine such a failure of news judgment among any of Spayd's modern predecessors as managing editors of the Post, especially in the clear light of the next day and with a tape recording – of the highest audio quality – in hand.

"Tell [Ailes] if I ever ran," Petraeus announces on the crystal-clear digital recording and then laughs, "but I won't … but if I ever ran, I'd take him up on his offer. … He said he would quit Fox … and bankroll it."

McFarland clarified the terms: "The big boss is bankrolling it. Roger's going to run it. And the rest of us are going to be your in-house" – thereby confirming what Fox New critics have consistently maintained about the network's faux-news agenda and its built-in ideological bias.

And here let us posit the following: were an emissary of the president of NBC News, or of the editor of the New York Times or the Washington Post ever caught on tape promising what Ailes and Murdoch had apparently suggested and offered here, the hue and cry, especially from Fox News and Republican/Tea Party America, from the Congress to the US Chamber of Commerce to the Heritage Foundation, would be deafening and not be subdued until there was a congressional investigation, and the resignations were in hand of the editor and publisher of the network or newspaper. Or until there had been plausible and convincing evidence that the most important elements of the story were false. And, of course, the story would continue day after day on page one and remain near the top of the evening news for weeks, until every ounce of (justifiable) piety about freedom of the press and unfettered presidential elections had been exhausted.

The tape of Petraeus and McFarland's conversation is an amazing document, a testament to the willingness of Murdoch and the wily genius he hired to create Fox News to run roughshod over the American civic and political landscape without regard to even the traditional niceties or pretenses of journalistic independence and honesty. Like the revelations of the hacking scandal, which established beyond any doubt Murdoch's ability to capture and corrupt the three essential elements of the British civic compact – the press, politicians and police – the Ailes/Petraeus tape makes clear that Murdoch's goals in America have always been just as ambitious, insidious and nefarious.

The digital recording, and the dead-serious conspiratorial conversation it captures so chillingly in tone and substance ("I'm only reporting this back to Roger. And that's our deal," McFarland assured Petraeus as she unfolded the offer) utterly refutes Ailes' disingenuous dismissal of what he and Murdoch were actually attempting: the buying of the presidency.

"It was more of a joke, a wiseass way I have," Ailes would later claim while nonetheless confirming its meaning. "I thought the Republican field [in the primaries] needed to be shaken up and Petraeus might be a good candidate."

The recording deserves to be heard by any open-minded person trying to fathom its meaning to the fullest.

Murdoch and Ailes have erected an incredibly influential media empire that has unrivaled power in British and American culture: rather than judiciously exercising that power or improving reportorial and journalistic standards with their huge resources, they have, more often than not, recklessly pursued an agenda of sensationalism, manufactured controversy, ideological messianism, and political influence-buying while masquerading as exemplars of a free and responsible press. The tape is powerful evidence of their methodology and reach.

The Murdoch story – his corruption of essential democratic institutions on both sides of the Atlantic – is one of the most important and far-reaching political/cultural stories of the past 30 years, an ongoing tale without equal. Like Richard Nixon and his tapes, much attention has been focused on the necessity of finding the smoking gun to confirm what other evidence had already established beyond a doubt: that the elemental instruments of democracy, ie the presidency in Nixon's case, and the privileges of free press in Murdoch's, were grievously misused and abused for their own ends by those entrusted to use great power for the common good.

In Nixon's case, the system worked. His actions were investigated by Congress, the judicial system held that even the president of the United States was not above the law, and he was forced to resign or face certain impeachment and conviction. American and British democracy has not been so fortunate with Murdoch, whose power and corruption went unchecked for a third of a century.

The most important thing we journalists do is make judgments about what is news. Perhaps no story has eluded us on a daily basis (for lack of trying) for so many years as the story of Murdoch's destructive march across our democratic landscape. Only the Guardian vigorously pursued the leads of the hacking story and methodically stuck with it for months and years, never ignoring the underlying context of how Rupert Murdoch conducted his take-no-prisoners business and journalism without regard for the most elemental standards of fairness, accuracy or balance, or even lawful conduct.

When the Guardian's hacking coverage reached critical mass last year, I quoted a former top Murdoch deputy as follows: "This scandal and all its implications could not have happened anywhere else. Only in Murdoch's orbit. The hacking at News of the World was done on an industrial scale. More than anyone, Murdoch invented and established this culture in the newsroom, where you do whatever it takes to get the story, take no prisoners, destroy the competition, and the end will justify the means."

The tape that Bob Woodward obtained, and which the Washington Post ran in the style section, should be the denouement of the Murdoch story on both sides of the Atlantic, making clear that no institution, not even the presidency of the United States, was beyond the object of his subversion. If Murdoch had bankrolled a successful Petraeus presidential campaign and – as his emissary McFarland promised – "the rest of us [at Fox] are going to be your in-house" – Murdoch arguably might have sewn up the institutions of American democracy even more securely than his British tailoring.

Happily, Petraeus was not hungering for the presidency at the moment of the messenger's arrival: the general was contented at the idea of being CIA director, which Ailes was urging him to forgo.

"We're all set," said the emissary, referring to Ailes, Murdoch and Fox. "It's never going to happen," Petraeus said. "You know it's never going to happen. It really isn't. … My wife would divorce me."

9 de dezembro de 2012

Objetividade

Upei um trecho de The Unanswered Question, seis aulas do compositor e regente Leonard Bernstein em Harvard. Na série, Bernstein explora as relações entre música e linguagem, mirando nos significados, estruturas e destinos da música.

Você pode assistir às seis palestras, na íntegra, nessa playlist aqui.

No trecho em questão, Bernstein explica como a objetividade foi usada na arte do início do século XX como resposta aos exageros de subjetivismo romântico que começavam a sufocar a música.

Leonard era um ser humano belíssimo.

6 de dezembro de 2012

Beavis & Butt-Head

A relação entre o jornalista e o público é análoga à que o Butt-Head tem com o Beavis.

Ambos são retardados, mas Butt-Head tem uma postura que camufla esse fato. Logo, Beavis o respeita.

Em muitas ocasiões, Beavis está com a razão. Butt-Head, porém, o subestima e não aceita a possibilidade de que Beavis esteja certo. Igualmente otário, Butt-Head não o ouve, não o vê, não o respeita, por conseguinte. O resultado é que, na maioria das vezes, Beavis reconsidera a sua opinião.

Beavis & Butt-Head são de um tempo pré-internet.

E a internet permite a Beavis perceber que Butt-Head não é nada disso. A questão é se ele quer enxergar. Caso a postura de ambos não mude, estarão em uma relação fadada ao desaparecimento.

A grande, grande, grande sonata número 2 do Shostakovich, nas mãos da Valentina Lisitsa

Apesar da doçura de parte da obra de Shostakovich (exemplo no post anterior), dizem que o grosso daquilo que ele produziu, o que ele fez de mais relevante, vem pra jogar o abismo na cara de todo mundo.

Ele olhou o abismo nos olhos. Foi perseguido por Stalin. Ele sabia do que estava falando.

E pensar que a moça aí quase desistiu de tocar piano.

5 de dezembro de 2012

The Limpid Stream

Achei essa maravilha do Shostakovich por acaso e está sendo difícil parar de ouví-la:



Encontrei essa preciosidade por acaso, pois é homônima de um nocturne do próprio Shostakovich, que por sua vez vem a ser uma das coisas mais lindas e surrealmente doces que já ouvi para piano:



(Algum conhecedor poderia me explicar por que as duas peças têm o mesmo nome? Não encontrei a resposta.)

Edit: procurei a informação. The Limpid Stream é uma peça para balé (ok, isso já é dito no vídeo do youtube). Mas será que o nocturne também faz parte da mesma peça? Isso eu ainda não encontrei.

19 de novembro de 2012

Psicografia? Sei…

I also find the difference between novice and experts psychographers to be very revealing. If psychography were truly a matter of entering a trance-state in which another entity were taking over and doing the writing, why would there be any activity of the brain areas involved in such writing, and why the difference between novices and experts? Either the psychographer is the source of the writing or some other entity is. I would expect, therefore, a binary result with “fakers” and true mediums showing completely distinct patterns of brain activity. There would also not be a direct relationship with experience, as you might have some experienced fakers and novice but genuine psychographers.

The pattern of results, however, is completely consistent with the conclusion that psychography is a performance by the psychographer, a skill that is developed over time like any other skill.

Estudando o cérebro de médiuns.

Hubblecast

Loading...

De onde você vem?