15 de abril de 2009

"Mente aberta"

Descrição do vídeo no Youtube, por QualiaSoup

Uma olhada em algumas falhas que levam pessoas que acreditam em certos conceitos não-científicos a aconselhar os que não acreditam a terem a mente mais aberta.



via De Rerum Natura

4 comentários:

Trip disse...

Hehehe, acho que esse foi diretamente publicado pra mim né :)

Mas ao contrário do que possa parecer, eu concordo com ele.

Porém, existem algumas coisas que precisam ser consideradas:

1) A pessoa ser um cientista não o torna uma pessoa de "mente aberta", como o vídeo sugere, um exemplo disso é uma cientista que defende tanto uma idéia (científica) e nem considera outra idéia científica que alguem está tentando ensinar. A história está recheada de exemplos destes casos.

2) Uma pessoa acreditar em sobrenatural não a torna uma pessoa de mente fechada, como o vídeo implica. Um exemplo disso é, não sei se você se lembra, de uma imagem de nossa senhora que chorava "lágrimas de sangue". Os incrédulos (não vou chamar de cientistas para não generalizar) disseram que aquele evento era inválido porque na verdade não era sangue, mas um composto químico formado devido à interação do material da imagem com o meio ambiente, etc. e por isso começaram a banalizar os "fiéis". O que eles fizeram foi "isolar" um determinado fato e detalhá-lo, gerando provas científicas, e eles estão certos, até certo ponto. Isso porque, para aqueles fiéis, não importa se era sangue de verdade, não importa o porque aconteceu, o que importa para eles foi o momento que ocorreu aquele evento, o que foi alterado em suas vidas, e coisas similares. Eles até aceitam a explicação dos incrédulos, mas ela não muda o fato daquele fato ter acontecido naquele momento para aquelas pessoas. É justamente este acaso o tempeiro do sobrenatural e isso os incrédulos não conseguem assimilar.

3) O que torna um cientista uma pessoa de mente fechada é justamente "rejeitar idéias que ele não compreende, simplesmente porque ele não as compreende".

Vou contar um fato que eu presenciei, para ilustrar o que eu considero mente aberta ou mente fechada.

Um amigo meu, muito querido, que é totalmente descrente, foi diagnosticado na minha cidade, no interior de Minas, com Câncer e, segundo os médicos, em estado terminal. Após isso, ele veio para Belo Horizonte e foi examinado por mais dois médicos, todos os 2 médicos encontraram a mesma doença. Câncer.

Quando fui visitá-lo no hospital quase não acreditava na pessoa que estava na cama, parecia o cara da preguiça do filme 7 ou uma criança desnutrida da etiópia. Ele estava praticamente irreconhecível.

A esposa deste meu amigo então, como não restava mais nada a ser feito (os médicos já haviam dito que não havia mais nada a ser feito e mandaram ele para casa para morrer com a família) resolveu aceitar uma ajuda "espiritual" e conseguiu convencê-lo a passar por um processo que a pessoa denominou de "limpeza". Esta pessoa foi então à casa deste meu amigo e realizou o tal procedimento de "limpeza" e falou com a esposa do meu amigo "O que eu pudia fazer está feito, por favor, procure um médico e peça para eles reavaliarem seu marido". Note que esta "limpeza" não foi feita com nada invazivo, ou seja, sem aquelas "operações espirituais" nem nada do gênero.

A esposa dele então fez o que foi solicitado e levou-o novamente à um dos médicos que ela havia levado anteriormente. Para a nossa feliz surpreza, o médico, após a reavaliação, disse que não era Câncer, que era apenas uma pneumonia e que, após um certo repouso ele estaria bom novamente. Hoje ele está vivo e muito bem de saúde.

Bem, esse foi um fato real, que eu presenciei, é difícil descrever em palavras o ocorrido, só quem passou pelo fato é que realmente pode entender a intensidade da coisa (como o vídeo menciona).

Uma pessoa descrente e de mente fechada facilmente colocaria tudo como "Rá, foi simplesmente um erro grosseiro cometido por três médicos especialistas, não teve nada 'sobrenatural' no ocorrido".

Uma pessoa crente (radical) diria "Por isso que eu não procuro médicos, primeiro eu vou sempre no meu 'guia espiritual' para cuidar das minhas doenças".

Para mim, as duas estão completamente erradas e possuem a mente fechada.

Pra mim, o ocorrido foi, o meu amigo tinha câncer, não houve um erro médico sucessivo por três médicos diferentes (as provas estavam lá para afirmar isso), mas, algo (que pode ser classificado como sobrenatural, até alguém achar alguma explicação melhor) ocorreu e fez com que o Câncer se tornasse uma pneumonia.

Não vou deixar de procurar médicos, bem como, como um último recurso, não acho "ridículo", "patetice" ou "imbecilizante" pedir ajuda ao mundo "sobrenatural" ou procurar respostas neles. E essa é a minha resposta à pergunta do vídeo exposto. Se uma pessoa amada por mim (meu filho, por exemplo) estivesse gravemente ferido ou doente e os médicos o desacreditasse, com certeza eu recorreria à ajudas "espirituais" para tentar salvá-lo, afinal, é minha obrigação tentar de tudo para salvá-lo, acreditando ou não. Mas nem por isso, eu deixo de pagar o plano de saúde dele mensalmente.

Entendeu agora o que seria ser "mente aberta" pra mim?

Danilo Albergaria disse...

Triposa,

Sim, o post foi pra você, claro. Não que você se encaixe no perfil de acusador "mente fechada", mas porque acho que esclarece alguns pontos que podem confundir esses conceitos vagos de "mente aberta", "mente fechada".

Estou me dedicando a um novo texto pra ComCiência, então realmente não vou ter tempo de discutir esse assunto com você em detalhes. Vou só dar uns pitacos sobre os pontos que você levantou:

1. Concordo plenamente, mas não acho que o video sugere essa imagem do cientista. Na verdade, a imagem invocada pelo narrador é de um "pensador crítico".

2. Concordo plenamente, mas também não acho que o vídeo sugere isso. Na verdade, o vídeo tem o cuidado de atacar quem acredita no sobrenatural E ataca quem não acredita como alguém que tem a "mente fechada". Respeito completamente a opinião de quem acha que uma estátua pode chorar pelo espírito da "Virgem Santíssima", mas peço que respeitem a minha, que é: eu não acredito nisso. Geralmente, quem acredita vê nessa opinião a tradução de um pensamento "fechado". Como o vídeo mostra, não é bem isso.

3. A história que você contou e presenciou é uma entre outros inúmeros exemplos de curas fantásticas, "miraculosas". Se as representações científicas não conseguiram achar explicação para elas, não quer dizer que sejam evidência do sobrenatural (você sabe disso). Uma "mente fechada" diria que é impossível a ciência explicar o fenômeno por meio de interações fisiológicas e químicas no corpo do doente. Uma "mente aberta" diria que é um mistério a ser desvendado.

Sobre esse tipo de "evidência", lembre-se que, não importa se você presenciou ou não, esse é o clássico tipo de evidência anedótica (não no sentido pejorativo de "isso é uma piada", mas de "história contada por alguém"), pois não é mais passível de ser examinada em detalhes e de serem feitos testes que possam conhecer o fenômeno de maneira mais apropriada. A hipótese sobrenatural para o que aconteceu ao seu amigo pode ser examinada, assim como a hipótese "natural". Não custa nada lembrar, por fim, que mesmo cânceres agressivos apresentam uma taxa (mínima) de regressão espontânea, além de fatores externos, como o psicossomático, que estamos começando a entender e a estudar. A coincidência de um tratamento "alternativo" qualquer e regressão espontânea (fenômeno comprovado) não pode ser descartada. Na minha opinião, seu amigo ganhou na mega-sena duas vezes consecutivas (sabendo que a questão pode ser colocada dentro do grau de probabilidade de uma regressão cancerígena desse tipo).

Danilo Albergaria disse...

Só acrescentando uma coisa: a probabilidade de se ganhar na mega-sena (quiçá duas vezes consecutivas) é muito menor do que a imensa maioria de taxas de probabilidade de regressões espontâneas.

Trip disse...

Então, pra mim não vejo "ou uma coisa ou outra". Pra mim são coisas complementares.

Daqui há alguns anos, algum cientista brilhante irá encontrar alguma enzima ou proteína que é ativada em momentos de fé e que, quando esta enzima é ativada o sistema imunológico é melhorado e por isso o câncer passa a ser combatido. Tenho certeza que algo parecido com isso um dia vai acontecer. Neste cenário teríamos 100% de cura (ou algo próximo) para esta doença.

Hoje, sem esta descoberta, a cura é apenas de 10%, às vezes menos, porém, 10% é melhor que 0%. Eu entendo? Não. Eu consigo aplicar à mim? Talvez. Tentaria aplicar à pessoas que eu amo? Com certeza.

Da mesma maneira, se a ciência hoje me fornecer 50% e a fé mais 10%, 60% é melhor que 50%. Agora, com certeza nunca trocaria o 50% pelo 10% mas também nunca faria o contrário contrário.

Agora, se a ciência me fornecer 50% e a fé acabar me dando -10%, aí com certeza descartaria completamente a fé. O contrário também é válido.

No final, não importa o que fez o gatilho ser puxado, mas sim se a bala matou o vilão.

De onde você vem?