11 de junho de 2007

Ao irmão

Meu irmão, hoje é seu aniversário. Você completa 13 anos. Hoje, o dia é seu.

Eu tinha 13 anos quando você nasceu, meu irmão. O mundo era só meu. E então, tive que dividí-lo com você. Foi uma das melhores coisas que me aconteceram. Eu não mais era o centro. O sol não mais brilhava só pra mim. Aos poucos, comecei a tomar consciência de mim mesmo.

Não foi fácil aquele ano. No começo, voltamos pra Salto. A tênue adaptação que tínhamos construído em Piracicaba foi deixada pra trás. Mas estaríamos, enfim, num ambiente familiar. Pra mim, não foi nada disso. Me sentia um estranho na cidade, na escola. As pessoas haviam mudado muito, meus antigos amigos haviam mudado muito. Fiquei fora do mundo.

Passei a depositar cada vez mais familiaridade e realização na figura do herói, o meu herói. Lia compulsivamente sobre ele. Lia e relia um livro de Christopher Hilton, "A Face do Gênio", cuja escrita rápida e cortante moldou muito do meu gosto e do meu jeito de escrever. Estava me preparando para 16 domingos de alegria naquele ano. Então veio Schumacher, e veio a tragédia.

Se puxar lá no fundo, ainda sinto um pouco do calafrio que percorria o meu corpo à espera das notícias lá da Itália. E quando vieram, foi... foi... Tentava disfarçar, como se não estivesse tão abalado. Mas já começava a questionar o mundo. Senna não morreria nunca. Viveria pra sempre, venceria pra sempre. Mas morreu. E estava agora sendo velado, enterrado, fim de papo.

A coisa ficou muito pior quando, pouco tempo depois, o Vinicius morreu. Vinicius não era um dos chapas, não era próximo, mas gostava de discutir corridas, carros, motos. Vinicius morreu. Atropelado. Andando de bicicleta. Tinha minha idade, estava na minha classe. E morreu.

Aconteceu com o Senna e com o Vinicius. Poderia acontecer comigo. De repente, o terror do mundo e da realidade tinham caído como uma bigorna ACME na minha cabeça. Comecei a me dar conta da minha fragilidade. E o que poderia ter me levado ao fervor religioso acabou me puxando pro lado oposto. Enxerguei a missa para o meu amigo como uma farsa. O alento teria de vir de outras fontes.

Então, você surgiu. Me lembro do seu choro, e do choro de todos os presentes naquele quarto de hospital. Você era cabeçudo e chorão. Não mudou nada. Cabeçudo e chorão. Eu não chorei. Mas fiquei com uma baita vontade de chorar. Fingia mal, muito mal.

Você tinha um mês, apenas, quando eu vi o Brasil ser tetra, na casa do tio. O Dr. Gilberto não gostou. Preferia que tivesse perdido a Copa a vencê-la nos pênaltis. Eu adorei, claro. Você estava no quarto, com a mãe e o pai, ouvidos protegidos da gritaria e do rojão. E chorando, claro. E nós ali, também chorando. Com um sorriso no rosto. O "tema da vitória" tocava.

Acompanhei o seu rápido desenvolvimento num constante estado de surpresa e excitação, apesar de não demonstrá-lo. Eu ficava imaginando quando você tivesse uns sete, oito anos. Minha imaginação não ia além disso. Mas era intrigante. Como seria? Como você seria? Como eu seria?

E agora você tem 13. Você tem 13 anos. A mesma idade que eu, quando passei por esses turbilhões violentos. Você está enfrentando os seus, eu sei. Sei também que crescer é um frio constante na espinha. Eu mesmo ainda sinto isso. E quero que você saiba que estamos juntos, sempre estaremos, desde o dia 11 de junho de 1994. Enfrentamos e enfrentaremos juntos os terrores, as agonias, os prazeres e as alegrias do mundo.

Bri, o Tato te ama.

Feliz aniversário!



Tosse, tosse, risadas!

10 comentários:

Sasqua disse...

Parabéns pro seu irmão, Sherpa. Ele é um rapaz de sorte.

Porra, quem quase chorou aqui fui eu, hhehehe.

Duilion disse...

LINDO!
Com relação ao comentário anterior... Eu também HeHehE mas foi QUASE!
Parabéns pro Bri...
Boa

vanessa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
vanessa disse...

Bem...sem palavras!!!
Realmente MARAVILHOSO...
O Bri pode ainda não entender muito bem a dimensão do amor nas palavras, mas com certeza sente no fundo do coração!
Parabéns pro Bri e parabéns pro irmãozão, que presentou o pequeno aí com o melhor presente do mundo o "amor incondicional"

Juliano disse...

Massa, Milk!
Parabens pro Fabricio, rapaz que acho que vi apenas uma vez.
Milk, um dia quero que você faça um post sobre o seu porquinho da India. Me lembro até hoje do dia em que você contou que ele morreu.

Speeder_76 disse...

Vá, dou os parabéns ao teu irmão. Espero que não o estragues com mimos. Ele também gosta de Formula 1, como o Irmão Grande?

David disse...

Parabéns ao Fabricio. Lembro dele quando a gente 'roubava' o video game e ficamos na torcida pra ele não chegar e acabar com a brincadeira...Como qualquer outra criança faria. Aposto que ele nao
se lembrava disso
Outro dia, um tal de daonap me chamou no MSN e logo falou quem era...apenas nao falou a maneira ilicita com a qual conseguiu a senha, mas conseguiu.
A primeira coisa que ele falou foi quem era e que era o dono do video game que nos jogavamos...ahahah

Gabriela Giannetti Zilio disse...

Transmita meu parabéns ao Bri.
Dão, esta declaração é um prazer que todos deveriam ter ao menos uma vez na vida... Parabéns a vc e a ele.
bjos Gabi

MO disse...

Dão, você e seu irmão me emocionam sempre. Esse texto foi o mais lindo que eu ja li. Fui abençoada quando você e o Bri vieram ao mundo. Amo vocês!

JJ disse...

Milk,

Voltando do tempo em que estive fora do ar em relação ao Pálido, de cara me deparei com esse belo texto sobre seu irmão e vc.

É difícil encontrar palavras que dêem conta de sintetizar a beleza dessa história que você conta!!!!

Mas, ao mesmo tempo, é imprescindível registrar que essa história, e seu ato de brindá-la publicamente, são fantásticos!!!

Não conheço seu irmão, mas acho difícil que ele já tenha recebido presente melhor que este trazido por você!!!

Parabéns mesmo pra vocêS DOIS!!!!

Gde abs

De onde você vem?