11 de junho de 2007

You never know

A atmosfera setentista de Zodíaco

Lying on the roof, counting
The suns that fill the sky
I wonder if
Someone in the heavens´
Looking back down on me
I´ll never know

Dave Matthews, You Never Know


Nunca saberemos sobre tudo. Nunca teremos certeza absoluta. E a angústia de não saber só é superada pela angústia de saber ser impossível saber. Será que, enquanto olhamos as estrelas, há alguém por lá nos olhando de volta? Talvez nunca saberemos, mesmo.

Eternos mistérios, como este, podem levar alguns de nós a dedicar a vida inteira na busca pelas respostas. No entanto, há mistérios menores que também são capazes de sugar todas as nossas forças. É o caso do pobre Bentinho, o Dom Casmurro, de Machado de Assis. Capitu lhe foi, afinal, infiel? A dúvida dilacera o personagem, e a impossibilidade de testar ou provar suas maquinações lhe consome a vida.

Zodíaco, o novo filmaço de David Fincher, trata exatamente deste tema. O centro da trama é a história real de um assassino que aterrorizou a baía de São Francisco nas décadas de 60 e 70. Sua trajetória ganhou amplo destaque na mídia norte-americana, graças a uma estratégia de escrever mensagens cifradas para um jornal e a polícia, em que confessava e anunciava homicídios.

Além das pessoas cruelmente mortas, outras vidas foram sugadas pelo misterioso assassino. Carreiras promissoras foram arruinadas na busca obsessiva por saber. Há um momento na história em que pegar o assassino perde muito de sua importância. A obsessão torna-se puramente em saber quem ele é.

Se contar mais, estraga.

É preciso dizer, por fim, que tudo é devidamente apresentado com uma direção magistral, produção impecável e atuação brilhante dos três principais atores, Jake Gyllenhaal, Robert Downey Jr. e, principalmente, Mark Ruffalo. Quem o viu como Stan, o técnico apagador de memórias de Brilho Eterno, vai se surpreender.

Ah, já ia me esquecendo. São quase três horas de angústia. Que valem muito à pena.

4 comentários:

Speeder_76 disse...

Ainda não o vi e adorava vê-lo, mas esse filme ainda não chegou ás salas de cinema da minha cidade. David Fincher é dos meus cineastas favoritos, especialmente por causa do Seven e do Fight Club (Clube de Combate). Acho que esse filme seria um bom pretexto para voltar a ir a uma sala de cinema, numa altura em que há uma overdose de "Piratas das Caraíbas", do qual estou farto até à medula...

David disse...

Mais uma vez o senhor albergaria tenta fazer um filme podre ficar bom.
Filme de grande....tédio !!!

Danilo Albergaria disse...

DVD, vá assistir homem-aranha, piratas, e coisas do gênero...

Sasqua disse...

Cara, o gerente do cinema de piracicaba deveria falecer. Ô sujeito inútil.

Nada de filme por aqui.

De onde você vem?